Reconstrução do RS passará pela recuperação de 1,1 milhão de hectares de vegetação nativa

A nova realidade criada pela tragédia exige igualmente novas respostas da gestão pública, incluindo um olhar prioritário para a questão ambiental
Quando as águas baixarem, o Rio Grande do Sul vai se defrontar com outro desafio de enormes proporções: reconstruir suas cidades com estruturas e espaços mais resilientes

Quando as águas baixarem, o Rio Grande do Sul vai se defrontar com outro desafio de enormes proporções: reconstruir suas cidades com estruturas e espaços mais resilientes aos episódios de clima extremo. Isso exige a recuperação das áreas desmatadas, ação fundamental para prover serviços ecossistêmicos para a região – a exemplo, entre outros, do aumento da capacidade de infiltração da água no solo. Em 2023, o estudo "Os bons frutos da recuperação de florestas: do investimento aos benefícios", do Instituto Escolhas, calculou que o estado gaúcho teria 1,1 milhão de hectares em áreas de preservação permanente e reserva legal que precisam ser recuperadas urgentemente.

"Investir em recuperação de florestas, neste momento, é prioritário. Na verdade, sempre foi e estamos vendo isso do pior jeito possível. Por isso mesmo, os planos de reconstrução do Rio Grande do Sul precisam incorporar a recuperação da vegetação nativa, que é uma infraestrutura natural para prevenir a repetição de tragédias como essa", afirma Sergio Leitão, diretor-executivo do Escolhas. O estudo ainda estimou, em 2023, que 80 mil empregos seriam gerados apenas para a recomposição de áreas de reserva legal no bioma Pampa, cuja presença no Brasil se dá apenas no Rio Grande do Sul. "Hoje, mais do que na época em que lançamos o estudo, é importante pensar em frentes de trabalho de recuperação ambiental capazes de incorporar mão de obra de forma imediata", pondera Leitão.

Veja mais notícias sobre AMANHÃ SustentávelBrasilRio Grande do Sul.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Sexta, 14 Junho 2024

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://amanha.com.br/