Volume de serviços avança 0,5% em abril

É a segunda alta seguida do índice
Atividades de transportes impulsionaram o crescimento dos serviços em abril

O volume de serviços prestados no país segue em crescimento. O setor teve alta de 0,5% na passagem de março para abril, segundo resultado positivo seguido, com ganho acumulado de 1,2% no período. Com isso, o setor de serviços se situa 12,9% acima do nível pré-pandemia (de fevereiro de 2020) e 0,7% abaixo do ponto mais alto da série histórica, alcançado em dezembro de 2022. Na comparação com o mesmo mês do ano passado, o setor mostrou expansão de 5,6%, se recuperando do recuo de 2,2% registrado em março. No acumulado do ano, o volume de serviços teve alta de 2,3% no primeiro quadrimestre de 2024, frente a igual período de 2023. Já o acumulado dos últimos 12 meses foi 1,6%. Os dados são da Pesquisa Mensal de Serviços, cujo resultado foi divulgado pelo IBGE.

Das cinco atividades da PMS, três tiveram crescimento na passagem de março para abril. O principal destaque foi para a alta de 1,7% em transportes. É a segunda expansão seguida, com ganho acumulado de 2,5% no período. Dos quatro tipos de serviços com maior impacto positivo no resultado do mês, três são do grupo transportes. "A maior influência foi de transportes aéreos, efeito da queda dos preços das passagens aéreas em abril", explica Rodrigo Lobo, gerente da pesquisa. "O transporte rodoviário municipal de passageiros foi o terceiro impacto e logística de cargas ficou em quarto", complementa. Outra atividade com importante influência no crescimento de 0,5% do setor em abril foi outros serviços, que com a alta de 5%, também apresentam o segundo crescimento seguido, acumulando 5,3% de expansão no período de março-abril. O destaque do grupo foram as atividades de serviços financeiros e auxiliares, que marcaram a segunda maior influência positiva em toda a pesquisa.

A terceira atividade que registrou alta foi informação e comunicação, com crescimento de 0,4%, renovando, assim, o ápice de sua série histórica em abril de 2024. "O desempenho do grupo no mês foi puxado pelo resultado em telecomunicação", afirma Lobo. Entre as quedas, serviços profissionais, administrativos e complementares tiveram recuo de 1,1%. "A retração tem a ver com a base de comparação mais elevada, já que o setor vinha de alta de 4% em março. De toda forma, esse recuo não elimina o ganho do mês anterior e o grupamento ainda tem um saldo positivo nestes dois meses", justifica o gerente da PMS. Os serviços de engenharia, as empresas que atuam com cartões de desconto e programas de fidelidade, bem como as agências de viagens tiveram um papel importante para explicar a queda do setor de profissionais e administrativos em abril.

O setor de serviços prestados às famílias, com queda de 1,8%, sofreu seu recuo mais intenso desde outubro de 2023, quando caiu 1,9%. Ainda na passagem de março para abril, na análise regional, 20 das 27 unidades da federação tiveram crescimento. Entre os locais que apontaram taxas positivas nesse mês, os impactos mais importantes vieram de São Paulo (0,6%) e Minas Gerais (3,2%), seguidos por Bahia (5,7%) e Distrito Federal (5,4%). Em contrapartida, Rio de Janeiro (-0,7%), Tocantins (-22,5%) e Paraná (-1%) tiveram as principais influências negativas.

Veja mais notícias sobre EconomiaBrasil.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Domingo, 21 Julho 2024

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://amanha.com.br/