Sidebar Menu

Da Vinci, o robô cirurgião

Tecnologia permite mais precisão em procedimentos cirúrgicos e já é amplamente utilizada
Assunto foi levantado pelo cirurgião robótico André Berger ao longo do quarto dia de palestras do Innovation Tech Knowledge (ITK) 2020

Imagine um cirurgião que, durante procedimentos cirúrgicos, não precisa ficar horas de pé ou se preocupar com tremores nas mãos e erros de cálculo. Com a tecnologia dos robôs-cirurgiões, isso já é uma realidade. Só no ano passado, 1.2 milhão de cirurgias robóticas foram feitas no mundo inteiro – o que equivale a uma cirurgia a cada 26 segundos. A concentração de robôs-cirurgiões ainda é maior nos Estados Unidos e na Europa, mas a tecnologia chegou ao Brasil em 2008. Atualmente, há aproximadamente 3.500 robôs do tipo nos EUA, e 74 no Brasil. Dentre as vantagens estão a filtragem dos temores, a flexibilidade dos instrumentos e um grande potencial para telementoria e telecirurgias. O assunto foi levantado pelo cirurgião robótico André Berger ao longo do quarto dia de palestras do Innovation Tech Knowledge (ITK) 2020.

O robô Da Vinci é um dos mais avançados. Fabricado pela Intuitive, empresa da Califórnia, foi lançado em 2014 e conta com quatro braços finos (um deles utilizado como câmera). Depois de sua entrada no mercado, especialidades como cirurgia colorretal e outras que precisam abordar vários quadrantes dentro do abdômen começaram a ser feitas em larga escala. "O cirurgião controla todos os braços do robô, não tem nada automatizado. Uma mira laser ajuda a adequar melhor as posições dos instrumentos. As grandes vantagens são o fim dos tremores e o fato de que o cirurgião não fica ao lado do paciente, e, sim, sentado confortavelmente, mexendo em joysticks que controlam os braços do robô", explica Berger. Dentre os benefícios que o robô propicia está a exploração de novas fronteiras na cirurgia minimamente invasiva. Na urologia, vem sendo utilizado no câncer, pela prevalência e necessidade de tratamentos curativos. Já nas patologias benignas, Da Vinci vem sendo de grande ajuda em técnicas de reconstrução dos ureteres, do rim e até mesmo das próstatas.

Ainda há, no entanto, algumas limitações. A operação do robô requer sempre uma equipe experiente, justamente por não ser automatizado. Mas a maior dificuldade ainda é arcar com os custos. O robô custa mais de 2 milhões de dólares; o contrato de serviço, U$ 179 mil por ano; e os custos por procedimento, incluindo matérias descartáveis e instrumentos, variam entre U$ 1500 e U$ 2500. Os avanços vêm com um preço, mas, os resultados mostram, vale a pena pagar.

Veja mais notícias sobre TecnologiaSaúdeGestão.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Sábado, 31 Outubro 2020

Imagem do Captcha


Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://amanha.com.br/

No Internet Connection