"Economia é essencial para alterar a curva de mudanças climáticas", defende Carlos Nobre

Cientista alerta sobre os perigos e desafios em relação às mudanças climáticas
O valor financeiro de lidar com as mudanças climáticas após ela gerar prejuízos é muito maior, do que projetar antecipadamente

O ano de 2023/24 foi o mais quente no planeta Terra em 125 mil anos – e com isso vimos eventos climáticos extremos explodirem ao redor do mundo. Para diminuir o avanço acelerado das mudanças climáticas, o cientista e climatologista Carlos Nobre afirmou que o setor econômico tem um papel essencial. Em sua presença no MKBR24, evento em parceria da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima) e B3, Nobre alertou sobre como os desastres naturais têm afetado, não apenas o cotidiano das pessoas, mas também a economia. Como exemplo citou as chuvas recordes no Rio Grande do Sul e no Oriente Médio.

Para o cientista, existem dois principais desafios que o setor econômico precisa olhar com urgência. O primeiro trata do desafio da transição energética para fontes renováveis. "O desafio da velocidade da transição energética é global. Hoje ainda temos muito mais investimentos em combustíveis fósseis, que são os principais poluentes, do que em energias renováveis", aponta. Nobre ainda ressalta que a diminuição da poluição por combustíveis fósseis não é apenas benéfico ao meio ambiente, mas também à saúde das pessoas. "A queima de combustíveis fósseis no mundo gera micropartículas que matam a população urbana. Estudos apontam que a média de vida de um morador de São Paulo é dois anos menor que o geral", exemplificou.

O segundo ponto levantado pelo cientista diz respeito ao investimento na infraestrutura de adaptação e resiliência aos eventos climáticos extremos. Para isso, ele aponta que é muito importante que haja uma projeção dos riscos futuros e não apenas o mapeamento histórico, quando se trata de levantar riscos ambientais para investimentos. "Somos o quarto maior produtor de alimentos do mundo, então é perigosíssimo que os eventos climáticos gerem prejuízos sistêmicos na agricultura, com risco até do Brasil deixar de produzir", alertou. A mediadora do painel, Maria Netto, diretora executiva do Instituto Clima e Sociedade, ainda completou ao ressaltar que o valor financeiro de lidar com as mudanças climáticas após ela gerar prejuízos é muito maior, do que projetar antecipadamente. "O custo de inação, de não se preparar, é muito mais alto do que de adaptação. Por isso, é essencial que os investimentos em infraestrutura pensem na prevenção, pois o custo humanitário pós desastres é muito maior", destacou.

Com Redação da B3

Veja mais notícias sobre AMANHÃ SustentávelBrasilRio Grande do Sul.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Segunda, 24 Junho 2024

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://amanha.com.br/