Cocriador do Waze prega que é preciso se apaixonar pelo problema

Uri Levine descreveu o que seria a jornada de uma startup
"Tudo começa com um grande problema, pois é o problema que vai fazer com que você crie valor", defendeu Levine em palestra no Sul

Apaixone-se pelo problema, não pela solução. Esta foi a principal mensagem do empreendedor e um dos criadores do aplicativo Waze, Uri Levine, em palestra promovida pelo Instituto Euvaldo Lodi (IEL-RS), Conselho de Inovação e Tecnologia da FIERGS (Citec) e Instituto Caldeira, na terça-feira (26) em Porto Alegre. "Quem pensa em uma startup quer criar valor, quer mudar o mundo", disse ele. "Por isso tem de estar apaixonado. Tudo começa com um grande problema, pois é o problema que vai fazer com que você crie valor". Levine, que já criou dois unicórnios, descreveu o que seria a jornada de uma startup. Ressaltou ainda a importância de saber quem são os seus clientes e quais os seus problemas, e cometer erros. "Quem tem medo de falhar já está falhando", afirmou, lembrando que há um provérbio japonês que diz: "caia sete vezes e levante oito vezes". "Falhe rápido para ter tempo de construir uma nova versão", concluiu.

Criar valor é outro conselho dado a startupers, para que os clientes voltem. "É preciso ter retenção. Não adianta ter inúmeros seguidores que se vão rapidamente. Temos que manter o cliente", lembrou Levine. Com um público formado por empresários e jovens empreendedores, ele disse que a jornada é de altos e baixos e o foco, muitas vezes, é "o que vocês não estão fazendo". Outra dica de Levine foi com relação a equipe. "As pessoas que formam sua equipe devem estar engajadas. Faça um exercício. Um mês depois de contratar uma pessoa, você se pergunta se a contrataria novamente. Se a resposta for não, despeça-a. Sua equipe é fundamental para o trabalho dar certo", aconselhou.

O tempo para um negócio ser construído demora em média sete anos, conforme o empreendedor. "Criar valor não é de um dia para outro", lembrou ele, ressaltando que as mudanças no mundo dos negócios têm sido muito rápidas. Levine lembrou que as dez principais empresas de hoje não existiam há 15 anos. E que a maior parte das que serão as mais importantes daqui a dez anos, ainda não foram criadas.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Sábado, 25 Mai 2024

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://amanha.com.br/