Vendas no comércio caem 1,7% em junho após dois meses de alta

Com isso, setor se encontra 2,6% acima do patamar pré-pandemia
A maior queda entre as atividades foi registrada por tecidos, vestuário e calçados

Após dois meses consecutivos de crescimento, as vendas do comércio varejista caíram 1,7% na passagem de maio para junho. Foi a maior retração do setor neste ano e a segunda maior para um mês de junho desde o início da Pesquisa Mensal de Comércio (PMC), em 2000. Com isso, o varejo se encontra 2,6% acima do patamar pré-pandemia. No primeiro semestre, o setor acumula 6,7% e, nos últimos 12 meses, 5,9%. Os dados foram divulgados nesta quarta-feira (11) pelo IBGE.

"Com o resultado de junho, há uma quebra de dois meses de crescimento. Apesar dessa retração, o varejo ainda se encontra acima do patamar de fevereiro de 2020, ou seja, de antes da pandemia. Mas, na comparação com o patamar recorde da série, que é de outubro de 2020, o setor está 3,9% abaixo", analisa Cristiano Santos, gerente da pesquisa. Cinco das oito atividades investigadas pela pesquisa recuaram na passagem de maio para junho. Dentre elas, a queda mais intensa foi do setor de tecidos, vestuário e calçados (-3,6%), que havia registrado aumentos em abril (16,3%) e maio (10,2%).

"No comércio varejista como um todo, há algumas atividades caindo com mais força porque elas tiveram uma certa recuperação nos meses de abril e maio, elevando a base de comparação. Esse foi o caso de tecidos, vestuário e calçados, que é uma atividade que ainda não teve recuperação frente ao patamar de fevereiro do ano passado", diz o pesquisador.

Já o setor de livros, jornais, revistas e papelaria cresceu 5% em junho. É o terceiro resultado positivo consecutivo dessa atividade. Mesmo com esses aumentos recentes, o setor não conseguiu recuperar o que perdeu durante o ano: há queda acumulada de 22,8% entre janeiro e junho. "O setor vem perdendo importância e receita por estar sendo afetado pela substituição das lojas físicas pelas digitais, entre outras mudanças tecnológicas", avalia Santos.

O comércio varejista cresceu 6,3% em junho na comparação com o mesmo mês do ano anterior. É o quarto crescimento consecutivo nesse indicador. Os resultados positivos foram disseminados por seis das oitos atividades investigadas, com destaque para tecidos, vestuário e calçados (61,8%); outros artigos de uso pessoal e doméstico (22,6%) e livros, jornais, revistas e papelaria (17,1%). Nesse indicador, o varejo teve ganhos, principalmente, nas atividades mais afetadas pela pandemia no país, como tecidos, vestuário e calçados e outros artigos de uso pessoal e doméstico. No varejo ampliado, houve aumento de 11,5% em junho, com alta de 33,1% para a atividade de veículos e motos, partes e peças e de 5,3% para material de construção.

"Na comparação interanual, há um ritmo menor de crescimento em junho. Nos meses anteriores, os aumentos foram mais significativos por conta da base de comparação que estava muito baixa. É diferente de comparar, por exemplo, com março ou abril do ano anterior, meses que marcaram o início da pandemia no país", diz.

Veja mais notícias sobre BrasilEconomia.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Quinta, 21 Outubro 2021

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://amanha.com.br/