Você já ouviu falar em givers e takers?

O termo se refere à abordagem que as pessoas adotam em suas interações
Enquanto os givers buscam compartilhar e criar valor para os outros, os takers estão mais inclinados a priorizar seus próprios interesses

Conforme o autor Adam Grant, existem duas principais maneiras de definir as pessoas de modo geral. Para isso, ele criou os termos givers e takers. Essa distinção se refere à abordagem que as pessoas adotam em suas interações. Enquanto os givers buscam compartilhar e criar valor para os outros, os takers estão mais inclinados a priorizar seus próprios interesses. Podemos pensar então que os givers tendem a compartilhar conhecimento e estar dispostos a colaborar, contribuindo para o desenvolvimento mútuo e o crescimento conjunto. Essa mentalidade não apenas fortalece os laços comerciais, mas também cria um ambiente propício para a inovação e a criação de soluções mais robustas.

Já, por outro lado, os takers podem alcançar ganhos imediatos ao maximizar suas vantagens, mas essa abordagem nem sempre é sustentável a longo prazo. Relações comerciais baseadas em tomada excessiva podem levar à quebra de confiança e ao enfraquecimento das parcerias. Isso quer dizer então que ser um giver é melhor do que ser um taker? Não necessariamente. Embora seja possível notar os benefícios de ser um giver a longo prazo e também para as relações de comunidade, também é válido refletir que ser um giver pode ser cansativo. Afinal, quem doa demais nem sempre alcança o que procura quando procura.

Portanto, tendo a acreditar que givers e takers possuem ambos os seus lados positivos para os negócios. A reciprocidade desempenha um papel crucial nesse equilíbrio. Quando givers e takers se encontram em uma relação, em que as duas partes contribuem e se beneficiam, o mercado se torna mais resiliente e adaptável. Não podemos pensar que takers, por prezarem a troca, devam ser rotulados como ingênuos nas relações e nos negócios. Assim como também não é indicado interpretar que os takers sejam necessariamente egoístas. Colaborações bem-sucedidas muitas vezes emergem quando as empresas e as pessoas adotam uma abordagem de sinceridade, estabelecendo limites e enxergando entregas palpáveis para os dois lados envolvidos.

Veja mais notícias sobre ComportamentoEmpreendedorismo.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Segunda, 22 Abril 2024

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://amanha.com.br/