Farsul projeta PIB de 0,3% no próximo ano

Rio Grande do Sul deve crescer 0,5% em 2022
As questões ambientais receberam especial atenção de Gedeão

O Sistema Farsul realizou, nesta quinta-feira (9), coletiva para apresentar o balanço de 2021 e projeções para 2022. O encontro serviu para o presidente Gedeão Pereira apresentar os três principais compromissos para o novo mandato que inicia em 1º de janeiro de 2022: irrigação, questões ambientais e o programa Duas Safras.

As questões ambientais receberam especial atenção de Gedeão. Ele falou da participação da CNA durante a COP 26, realizada em Glasgow, na Escócia. "Estamos preocupados em remover esta imagem negativa criada em cima do agronegócio brasileiro, principalmente pelas questões amazônicas. Ainda que a Amazônia seja um continente, 62 % do território nacional, que por si já traz dificuldades inerentes de como cuidar aquilo que é clandestino. Mas, de qualquer maneira, afeta e muito a imagem da agricultura brasileira pelo fato de o país hoje ser uma potência agrícola mundial e temos que ter as responsabilidades a tal tamanho e quanto mais alto o pico, mais fortes os ventos. E temos contrariado bastante alguns países europeus que tem usado como ação as questões ambientais, principalmente da Amazônia, embora os outros biomas, temos dois no Rio Grande do Sul, não nos exime de qualquer responsabilidade na atuação", declarou.

O presidente do Sistema Farsul também falou da preocupação com a seca que já começa a atingir as lavouras do Rio Grande do Sul, especialmente do milho. Gedeão destacou que o problema é recorrente no estado. "Há anos que viemos trabalhando a respeito do tema irrigação e lastimavelmente nós não conseguimos evoluir por questões com o Ministério Público Estadual que impetrou uma ação e levou uma liminar que nos impede de fazer reserva de água tanto na metade sul, quanto na metade norte. Embora tenhamos um diálogo hoje mais promissor com o próprio MPE, também temos uma conversa muito íntima com Fepam, Sema e Casa Civil no sentido de tentarmos evoluir, mas o fato é que até agora nós não conseguimos", informou.

O balanço econômico, apresentado pelo economista-chefe, Antônio da Luz, revela uma projeção que o PIB brasileiro cresça 4,26% em 2021 e 0,31% em 2022. Abaixo do Rio Grande do Sul que deve atingir 9,49% em 2021 e 0,58% em 2022, conforme o levantamento.

Luz apontou um aumento de 4,4% na área plantada na safra 2021. "Os grãos que tiveram desempenho superior foram justamente os de inverno, ocupando não novas áreas, mas aquelas já consolidadas no verão e que não são plenamente aproveitadas por não termos uma produção voltada para mercado", avaliou. O resultado foi um aumento da produção não apenas pela ampliação da área, mas por se tratar de uma comparação com um período anterior com registro de seca.

Para 2022, a projeção é de um aumento de 3,1% na área plantada, também para as culturas de inverno e um crescimento de 1,8% na produção. Atingindo um valor bruto da produção de R$ 77,1 bilhões.

Luz aproveitou para falar sobre os preços dos alimentos. "Não deveríamos estar nos preocupando pelo fato do país ser um emergente e não crescer como um? Estamos empobrecendo cada vez mais em relação ao mundo. A comida cara porque temos uma renda per capta baixa. Para recuperar o ponto onde o mundo estava na pré-pandemia, vamos levar 9,2 anos, quase uma década. O Brasil está ficando para trás", avaliou.

O economista também aproveitou para fazer a comparação entre os preços aos consumidores e produtores. Primeiro. Ele lembrou que não foram apenas os produtos do agro que tiveram elevação. "Outros produtos cresceram, não vivemos uma inflação de alimentos, mas uma inflação", destacou. Ele usou como exemplo o arroz que teve uma alta de 32% para o consumidor ao longo do ano, enquanto que, para o produtor, houve queda de 31%.

Luz aponta margens espremidas em razão da alta dos custos de produção. "Ano passado foi maravilhoso em questão de preço, subiram mais que os custos. Avisamos que era necessário cuidado, que era um ponto fora da curva. Neste ano passamos a ter uma situação completamente diferente, preços mais baixos e custos maiores", analisou.

Quer saber mais sobre agronegócio?
Receba diariamente a newsletter do Grupo AMANHÃ. Faça seu cadastro aqui e, ainda, acesse o acervo de publicações do Grupo AMANHÃ.

Veja mais notícias sobre BrasilEconomiaAgronegócioRio Grande do Sul.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Domingo, 21 Julho 2024

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://amanha.com.br/