Excessos excessivos

Quando produtos oferecem bem mais do que usamos

Assistente de estacionamento, bancos aquecidos, painel personalizável. Esses e alguns outros atributos de carros à venda no Brasil são, segundo um especialista do UOL, dispensáveis – ou úteis "apenas para mostrar aos amigos" (texto completo aqui).

O excesso de features não é, obviamente, uma exclusividade da indústria automobilística. Pelo contrário, está presente em boa parte dos produtos com os quais temos contato no dia a dia, especialmente os que envolvem tecnologias mais avançadas. Se são pouco úteis ou até funcionalmente ruins, por que diabos existem, então?

"Mostrar aos amigos" é uma boa pista, desde que a expressão seja entendida como uma síntese para o aspecto emocional que cerca toda a compra. O consumo é um ato repleto de caprichos, preferências momentâneas que transitam entre a futilidade e a gratuidade, e muitos adoram ter o que de mais moderno existe, seja lá em que categoria for, pelo simples prazer de ter. E ponto.

Mas há outras razões. Anabolizar a lista de tecnologias de um produto ajuda a diminuir a sensibilidade a preço do cliente ao tornar extensa a quantidade de supostos benefícios que ele recebe. Como no momento da aquisição nem sempre temos noção exata do que vamos precisar ou ter disposição em usar, o excesso soa melhor do que a ausência – e acaba usado como justificativa para o preço que se paga por um bem.

Além do mais, certos consumidores acreditam que escolher um produto completo, cheio de acessórios, é também uma estratégia segura de aquisição – e bastante mais cômoda, quando se tem dinheiro. Em vez de avaliar as alternativas e ponderar o custo-benefício de cada uma, o orçamento folgado permite que se adote uma proxy bem mais simples: comprar o mais caro e está resolvido.

Seja lá a motivação, o resultado é que vivemos na era da potência, assolados pela síndrome do SUV.

Como?

"Potência" é o nome que o sociólogo inglês Richard Sennett dá justamente à possibilidade de comprar algo que jamais utilizaremos. Um aspecto que mexe com nossa fantasia: não limitar nosso desejo à utilidade é uma maneira de expandi-lo, de não nos conformarmos com nossos limites.

E "síndrome do SUV" é uma expressão cunhada pelo jornalista David Pogue, da Scientific American, para definir justamente a característica-mor desses carrões que tomaram conta das grandes cidades: concebidos para uma finalidade (o campo, os terrenos pedregosos, as áreas não asfaltadas), são utilizados para outra (ruas e avenidas pavimentadas), bem menos exigente.

E já que o post está repleto de expressões, vamos a mais duas: "fadiga de atributos" é o excesso de features inúteis ou difíceis de usar de muitos produtos, para a qual o melhor antídoto é o "princípio K.I.S.S.": "keep it simple, stupid" ("mantenha as coisas simples, em tradução livre). Ou seja, despojar de excessos e concentrar no essencial da funcionalidade.

Bem, estão aí: "potência", "síndrome de SUV", "fadiga de atributos e "princípio KISS". Uma respeitável lista de expressões que tornam este post o mais completo do portfólio de AMANHÃ, e que podem ser usadas por você em um relatório da empresa, um trabalho de faculdade ou num artigo científico.

Ou apenas para mostrar aos amigos. 

Veja mais notícias sobre Branding.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Segunda, 22 Julho 2024

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://amanha.com.br/