Sidebar Menu

Taxas de juros recuam em junho

Índice para pessoas físicas chegou a 40,7% ao ano
Taxa média das empresas ficou em 13% ao ano, de acordo com o Banco Central

As empresas e famílias pagaram taxas de juros mais baixas em junho, informou o Banco Central (BC), ao divulgar as Estatísticas Monetárias e de Crédito. A taxa média de juros para as pessoas físicas no crédito livre chegou a 40,7% ao ano, queda de 2,2 pontos percentuais em relação a maio. Já a taxa média das empresas ficou em 13% ao ano, redução de 1,2 ponto percentual na comparação com o mês anterior. Essa taxa para as empresas é a menor já registrada pelo BC.

A taxa do crédito pessoal (não consignado) chegou a 79,6% ao ano, com recuo de 1,3 ponto percentual em relação a maio. Os juros do crédito consignado caíram 0,4 ponto percentual para 19,6% ao ano. A taxa do cheque especial chegou a 110,2% ao ano, queda de 5,9 pontos percentuais em relação a maio. Os juros médios do rotativo do cartão de crédito chegaram a 300,3% ao ano, com queda de 4,7 pontos percentuais. No caso do rotativo regular, quando o cliente paga pelo menos o valor mínimo da fatura, a taxa chegou a 242% ao ano, recuo de 6,9 pontos percentuais. A taxa do rotativo não regular chegou a 334% ao ano, queda de 1,8 ponto percentual em relação ao mês anterior.

Apesar da redução nas taxas do cheque especial e do rotativo do cartão de crédito, o chefe do Departamento Econômico do BC, Fernando Rocha, avalia que os clientes bancários devem evitar essas modalidades de crédito. "Os devedores devem evitar linhas rotativas porque representam um endividamento a taxas muito elevadas e buscar o planejamento financeiro e linhas com melhores condições", afirmou Rocha.

Saldo
O estoque de todas as operações de crédito do sistema financeiro ficou em R$ 3,6 trilhões em junho, aumento de 0,8% em relação a maio, em decorrência do acréscimo de 1% na carteira de pessoas jurídicas (saldo de R$ 1,6 trilhão) e de 0,7% em pessoas físicas (R$ 2 trilhões). Em 12 meses, o crescimento da carteira total acelerou de 9,2%, em maio, para 9,8%, em junho, estimulada pelas operações com empresas, que aumentaram 11,5%, superando a expansão com pessoas físicas, 8,5%.

Com Agência Brasil 

Veja mais notícias sobre Economia.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Terça, 29 Setembro 2020

Imagem do Captcha


Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://amanha.com.br/

No Internet Connection