Arrecadação de Santa Catarina tem alta real de quase 14% em abril

A economia catarinense deve sentir os efeitos da tragédia climática registrada no Rio Grande do Sul
A análise técnica aponta que o aumento da arrecadação no mês passado está associado ao bom desempenho dos setores de combustíveis, supermercados e bebidas

A arrecadação em Santa Catarina somou R$ 4,6 bilhões em abril. O resultado apresentou crescimento nominal de 18,4% na comparação com abril do ano passado. Na prática, considerando a inflação de 3,9% do período (IPCA), houve aumento real de 13,9%. A análise técnica aponta que o aumento da arrecadação no mês passado está associado ao bom desempenho dos setores de combustíveis (alta nominal de 39,7%), supermercados (25,9%) e bebidas (22,3%). Todos os demais segmentos econômicos monitorados também apresentaram crescimento, com exceção do setor de materiais de construção, que teve queda de 5,7%.

Mesmo diante de mais um resultado positivo, o secretário da Fazenda Cleverson Siewert observa que é importante manter cautela e ter muita atenção aos números, uma vez que a prioridade é manter o equilíbrio das contas e todos os pagamentos em dia. O alerta é respaldado nas projeções técnicas que indicam a desaceleração do ritmo de crescimento no decorrer do ano. Além disso, as projeções orçamentárias são sensíveis às incertezas da atividade econômica local, global e de eventos externos, como, por exemplo, as fortes chuvas que castigaram Santa Catarina entre outubro e novembro do ano passado e que agora atingem o Rio Grande do Sul.

A economia catarinense deve sentir os efeitos da tragédia climática registrada no Rio Grande do Sul, que é o terceiro maior parceiro comercial de Santa Catarina no país, atrás apenas do Paraná e de São Paulo. Em 2023, a movimentação econômica entre os dois estados somou R$ 159 bilhões, o que significa 13,6% do total registrado no ano por Santa Catarina. "A lógica da arrecadação envolve uma combinação de fatores, que são diretamente influenciados pelo cenário macroeconômico e pelo desempenho das nossas indústrias, do comércio e dos serviços. Mais uma vez, temos números animadores e que também sinalizam os esforços do governo estadual em políticas e medidas de incentivo ao setor produtivo, mas temos que ter atenção e cuidado com os números. Com as contas equilibradas, podemos tangibilizar os recursos em bons projetos e buscar o chamado lucro social, ou seja, fazer cada vez mais e melhor para as pessoas", analisa Siewert.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Domingo, 21 Julho 2024

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://amanha.com.br/