Gartner anuncia as 10 principais tendências tecnológicas para o próximo ano

Apenas entregar tecnologia não será suficiente em 2023
O Gartner define metaverso como um espaço compartilhado virtual 3D coletivo, criado pela convergência de realidade física e digital virtualmente aprimorada

O Gartner, líder mundial em pesquisa e aconselhamento para empresas, anuncia as 10 principais tendências tecnológicas que as organizações poderão explorar em 2023. "Para melhorar a posição financeira de sua organização em tempos de turbulência econômica, os diretores e executivos de TI devem olhar além da economia de custos para novas formas de excelência operacional, continuando a acelerar a transformação digital", afirma Frances Karamouzis, analista e vice-presidente do Gartner. "Em 2023, entregar tecnologia não será suficiente. Esses temas são impactados por expectativas e regulamentações ambientais, sociais e de governança (ESG), que se traduzem na responsabilidade compartilhada de aplicar recursos sustentáveis. Todo investimento precisará ser comparado ao seu impacto no meio ambiente, tendo em mente as gerações futuras. Assim, 'sustentável por padrão' como objetivo requer tecnologia sustentável", explica David Groombridge, analista e vice-presidente do Gartner. Acompanhe, a seguir, as principais tendências tecnológicas estratégicas para 2023.

Sustentabilidade
A sustentabilidade influencia todas as tendências tecnológicas estratégicas para 2023. Em uma pesquisa recente do Gartner, os CEOs relataram que as mudanças ambientais e sociais são agora uma das três principais prioridades para os investidores, depois de lucro e receita. Isso significa que os executivos devem investir mais em soluções inovadoras projetadas para atender à demanda ESG visando cumprir as metas. Para fazer isso, as instituições precisam de uma nova estrutura que aumente a eficiência energética e de materiais dos serviços de TI, permita a sustentabilidade empresarial por meio de recursos como rastreabilidade, análise, energia renovável e Inteligência Artificial (IA), além de implementar recursos de TI para ajudar os clientes a atingir seus objetivos.

Metaverso
O Gartner define metaverso como um espaço compartilhado virtual 3D coletivo, criado pela convergência de realidade física e digital virtualmente aprimorada. Além disso, é persistente, proporcionando experiências imersivas aprimoradas. O Gartner espera que um metaverso completo seja independente de qualquer dispositivo e que ele não será de propriedade de um único fornecedor. Segundo os analistas, o metaverso terá uma economia virtual própria, habilitada por moedas digitais e tokens não fungíveis (NFTs). Até 2027, a análise prevê que mais de 40% das grandes instituições em todo o mundo usarão uma combinação de Web3, Nuvem, Realidade Aumentada (RA) e Gêmeos Digitais em projetos baseados em metaversos destinados a aumentar a receita. Acompanhe aqui, mediante pequeno cadastro, a reportagem especial que AMANHÃfez sobre a atuação das marcas no metaverso.

Superapps
Um superapp combina os recursos de um aplicativo, uma plataforma e um ecossistema em um único software. Ele não apenas possui seu próprio conjunto de funcionalidades, mas também fornece um ambiente ideal para terceiros desenvolverem e publicarem seus próprios miniaplicativos. Até 2027, o Gartner prevê que mais de 50% da população global serão usuários ativos diários de vários superapps. "Embora a maioria dos exemplos de superapp sejam de aplicações móveis, o conceito também pode ser aplicado a aplicativos para desktop, como o Microsoft Teams e o Slack, com a chave sendo que um superapp pode consolidar e substituir vários recursos para uso de clientes ou funcionários", antecipa Karamouzis.

Inteligência Artificial adaptável
Os sistemas de Inteligência Artificial adaptáveis visam treinar continuamente os modelos e a aprender em ambientes de tempo de execução e desenvolvimento com base em novos dados para se adaptar rapidamente às mudanças nas circunstâncias do mundo real que não estavam previstas ou disponíveis durante o desenvolvimento inicial. Eles usam feedback em tempo real para mudar seu aprendizado dinamicamente e ajustar as metas. Isso os torna adequados para operações em que transformações rápidas no ambiente externo ou objetivos corporativos em constante atualização exigem uma resposta otimizada.

Sistema imunológico digital
Segundo o Gartner, 76% das equipes responsáveis por produtos digitais agora também são responsáveis pela geração de receita. Os Chief Information Officers (CIOs) estão procurando novas práticas e abordagens que suas equipes possam adotar para fornecer esse alto valor comercial, além de mitigar riscos e aumentar a satisfação do cliente. Um sistema imunológico digital fornece esse roteiro. A imunidade digital combina insights baseados em dados sobre operações, testes automatizados e extremos, resolução automatizada de incidentes, engenharia de software nas operações de TI e segurança na cadeia de suprimentos de aplicativos para aumentar a resiliência e a estabilidade dos sistemas. O Gartner prevê que, até 2025, as instituições que investirem na criação de imunidade digital reduzirão o período de inatividade do sistema em até 80% — e isso se traduz diretamente em maior receita.

Observabilidade aplicada
Os dados observáveis refletem os artefatos digitalizados, como logs, rastreamentos, chamadas de API, tempo de permanência, downloads e transferências de arquivos, que aparecem quando qualquer parte interessada realiza qualquer tipo de ação. A observabilidade aplicada alimenta esses artefatos observáveis de volta em uma abordagem altamente orquestrada e integrada para acelerar a tomada de decisões organizacionais. "A observabilidade aplicada permite que as organizações explorem seus artefatos de dados para obter vantagem competitiva", comenta Karamouzis. "É poderoso porque eleva a importância estratégica dos dados certos no momento certo para uma ação rápida com base em ações confirmadas das partes interessadas, em vez de intenções. Quando planejada estrategicamente e executada com sucesso, a observabilidade aplicada é a fonte mais poderosa de tomada de decisão orientada por dados".

Gestão de confiança, risco e segurança de Inteligência Artificial
Muitas organizações não estão bem preparadas para gerenciar os riscos da Inteligência Artificial. Uma pesquisa do Gartner nos Estados Unidos, Reino Unido e Alemanha indica que 41% das instituições sofreram uma violação de privacidade de Inteligência Artificial ou um incidente de segurança. No entanto, essa mesma pesquisa descobriu que as empresas que gerenciavam ativamente o risco, a privacidade e a segurança da Inteligência Artificial obtiveram melhores resultados nos projetos de Inteligência Artificial. Mais de seus projetos de Inteligência Artificial passaram do status de prova de conceito para produção e alcançaram mais valor comercial do que os projetos de Inteligência Artificial em negócios que não gerenciavam ativamente essas funções. As instituições devem implementar novos recursos para garantir a confiabilidade, confiabilidade, segurança e proteção de dados do modelo. O gerenciamento de confiança, risco e segurança da Inteligência Artificial (TRiSM) exige que participantes de diferentes unidades de negócios trabalhem juntos para implementar novas medidas.

Plataformas de Nuvem do setor
As Plataformas de Nuvem do setor oferecem uma combinação de software como serviço (SaaS), plataforma como serviço (PaaS) e infraestrutura como serviço (IaaS), fornecendo conjuntos de recursos modulares específicos da área para dar suporte a casos de uso de negócios específicos. As empresas podem usar as ferramentas das plataformas de Computação em Nuvem de setor como blocos de construção para compor iniciativas de negócios digitais exclusivas e diferenciadas, proporcionando agilidade, inovação e tempo reduzido de lançamento no mercado, evitando os atrasos. Até 2027, o Gartner prevê que mais de 50% das organizações usarão plataformas de Nuvem de setor para acelerar suas iniciativas de negócios.

Engenharia de plataforma
A engenharia de plataforma é a disciplina de construção e operação de plataformas de desenvolvimento interno de autoatendimento para entrega de software e gerenciamento do ciclo de vida. O objetivo da engenharia de plataforma é otimizar a experiência do desenvolvedor e acelerar a entrega de valor ao cliente pelas equipes de produto. O Gartner prevê que 80% das organizações de engenharia de software estabelecerão equipes de plataforma até 2026 e que 75% delas incluirão portais de autoatendimento para desenvolvedores.

Realização de valor sem fio
Embora nenhuma tecnologia domine, as empresas usarão um espectro de soluções sem fio para atender a todos os ambientes, desde Wi-Fi no escritório, serviços para dispositivos móveis, serviços de baixo consumo de energia e até conectividade de rádio. O Gartner prevê que até 2025, 60% das organizações usarão cinco ou mais soluções sem fio simultaneamente. À medida que as redes vão além da conectividade pura, elas fornecerão insights usando análises integradas e os sistemas de baixo consumo coletarão energia diretamente da rede. Isso significa que a rede se tornará uma fonte de valor comercial direto.

Quer saber mais sobre tecnologia?
Receba diariamente a newsletter do Grupo AMANHÃ. Faça seu cadastro aqui e, ainda, acesse o acervo de publicações do Grupo AMANHÃ.

Veja mais notícias sobre Tecnologia.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Segunda, 24 Junho 2024

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://amanha.com.br/