Itaipu recebe a primeira planta de produção de petróleo sintético a partir de biogás do Brasil

O Paraná tem um potencial de produção de 15 mil metros cúbicos por ano de combustível sustentável para aviação
Com um investimento de 1,8 milhão de euros do governo alemão, a planta é projetada para produzir seis quilos por dia de bio-syncrude, uma mistura de hidrocarbonetos criada a partir de biogás e hidrogênio verde

A Itaipu Binacional, em parceria com o Centro Internacional de Energias Renováveis (CIBiogás) e o projeto H2Brasil, inaugurou na segunda-feira (17), em Foz do Iguaçu (PR), a Unidade de Produção de Hidrocarbonetos Renováveis. Trata-se da primeira planta piloto do Brasil para a produção de petróleo sintético a partir de biogás, com foco na geração de combustível sustentável para aviação (Sustainable Aviation Fuel, o SAF). Com um investimento de 1,8 milhão de euros do governo alemão, por meio do Ministério Federal da Cooperação Econômica e Desenvolvimento da Alemanha (BMZ), a planta instalada na Itaipu Binacional é projetada para produzir seis quilos por dia de bio-syncrude, uma mistura de hidrocarbonetos criada a partir de biogás e hidrogênio verde, destinada à produção de SAF.

O processo utiliza até 50 metros cúbicos normais por dia (Nm³/d) de biogás gerado na unidade de biodigestão da Itaipu, combinado com 53 Nm³ de hidrogênio verde produzido pelo Parque Tecnológico Itaipu (PTI). O projeto é resultado de uma parceria entre a Cooperação Brasil-Alemanha para o Desenvolvimento Sustentável, o CIBiogás, a Universidade Federal do Paraná (UFPR), a Fundação Araucária e a Itaipu Binacional. O diretor-geral brasileiro da Itaipu, Enio Verri, declarou que a iniciativa une preocupação ambiental e inovação tecnológica e chamou a atenção para o esforço do PTI em pesquisar soluções para os problemas que afetam o planeta. "O petróleo verde é uma realidade", enfatizou. "Não estamos entregando um só produto. Estamos entregando um acúmulo de pesquisas, do biogás e do hidrogênio verde, que agora darão origem ao SAF. A tendência é que, feito o alicerce da pesquisa, o avanço seja muito mais rápido e nós possamos em breve ter esse combustível sustentável com produção em escala", previu.

O bio-syncrude produzido na Unidade de Produção de Hidrocarbonetos Renováveis será enviado para o Laboratório de Cinética e Termodinâmica Aplicada (Latca) da UFPR, em Curitiba, para caracterização e refino, visando obter frações de combustível sustentável para aviação. Além disso, o Laboratório de Materiais e Energias Renováveis (Labmater) da UFPR, em Palotina, conduziu estudos sobre o processo de reforma a seco do biogás e desenvolveu os catalisadores utilizados na planta. Uma parceria adicional entre a Cooperação Brasil-Alemanha e o CIBiogás resultou na criação de um mapa dinâmico para identificar áreas com maior potencial de produção de SAF no Paraná. Segundo Rafael Hernando de Aguiar Gonzalez, diretor-presidente do CIBiogás, "esse mapa destaca as regiões mais promissoras para a produção de bioquerosene de aviação a partir de biogás, revelando que o estado tem um potencial de produção de 15 mil metros cúbicos por ano de SAF".

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Domingo, 21 Julho 2024

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://amanha.com.br/