Gerdau completa 120 anos com espírito digital

A companhia se tornou um dos players mundiais que mais utiliza tecnologia em sua cadeia produtiva
João Gerdau e seu filho Hugo lançam as bases da Gerdau com inauguração da Fábrica de Pregos Pontas de Paris em Porto Alegre em 1901

A Gerdau completa 120 anos neste sábado (16). Nos últimos anos, a Gerdau transformou-se em uma organização focada em pessoas, digital, inovadora, diversa e inclusiva, mantendo um sólido desempenho financeiro. Nascida em Porto Alegre, com uma pequena fábrica de pregos, a companhia, ao longo dos 120 anos, destacou-se pela capacidade empreendedora liderada pela família Gerdau Johannpeter e se transformou em uma das principais multinacionais brasileiras, com operações presentes em diversos países. A trajetória da Gerdau possui inúmeros marcos que se fundem com a história da indústria brasileira. "Chegar aos 120 anos é um marco muito significativo para uma empresa brasileira. Queremos ser uma empresa diferente do modelo tradicional de produção de aço e ter foco centrado cada vez mais nos nossos clientes", projeta Gustavo Werneck, CEO da Gerdau.

Tecnologia de ponta
Com uma visão de longo prazo, a companhia anunciou ano passado a criação da Gerdau Next, seu braço de Novos Negócios, focada no desenvolvimento de novos produtos e negócios adjacentes à produção de aço e alinhada às diretrizes de inovação e disrupção da companhia. A empresa procurou sempre ser uma agente de transformação social e de preservação ambiental nas regiões onde opera. Atualmente, a companhia, maior recicladora de sucata ferrosa das Américas, busca ser um modelo para a indústria global do aço, tornando os conceitos de sustentabilidade um dos eixos centrais do seu modelo de negócios.

O investimento em tecnologia da Gerdau foi destaque em uma reportagem especial de AMANHÃ na edição 322. Em "A fantástica fábrica de aço", AMANHÃ mostrou como a inteligência artificial, os aplicativos e os drones foram incorporados às práticas industriais da empresa centenária (clique aqui para conferir, mediante simples cadastro. A matéria começa na página 40).

Com laços estreitos com o Rio Grande do Sul, a Gerdau manteve-se na memória dos gaúchos no Top of Mind, pioneira pesquisa de lembrança de marcas no Brasil, publicada pelo Grupo AMANHÃ. Até 2019, a companhia liderava a categoria Grande Empresa/Marca do RS, quando cedeu a ponta para a Tramontina no ano passado, porém ainda mantendo-se vice-líder. Com a decisão de transferir sua sede para São Paulo, culminância de um processo de concentração de seus negócios fora do Rio Grande do Sul, seu Estado de origem, o Grupo Gerdau deixou de constar no ranking 500 MAIORES DO SUL. A Gerdau foi a maior empresa do Sul em todas as edições a partir de 2005 culminando com sua saída do ranking em 2019.

Uma história de conquistas
A trajetória começou em 1901, com a fundação da fábrica de pregos Ponta de Paris por João Gerdau, em Porto Alegre. Posteriormente, o negócio foi impulsionado por novas gerações da família, por seus colaboradores e por todas as pessoas que fazem parte dessa história. Desde o início, a Empresa estimulou o espírito empreendedor em sua jornada, uma chama que permanece vívida até hoje em sua cultura.

Nos anos 40, a companhia entrou no setor do aço com a usina Riograndense, em Sapucaia do Sul (RS). Já nas décadas de 1970 e 1980, seu caminho ultrapassou as fronteiras gaúchas, chegando em Pernambuco, São Paulo e Rio de Janeiro. A internacionalização ocorreu nas décadas seguintes, com aquisições e expansões no Uruguai, Canadá, Argentina, Colômbia, Estados Unidos, Peru e México. Após entrar para o seleto grupo das empresas centenárias, nasceu o Instituto Gerdau em 2005, braço de responsabilidade social da empresa.

Já em 2014, a Empresa dá início a sua transformação cultural que deu sustentação a outro avanço arrojado: sua transformação digital. A partir de conceitos de abertura e colaboração, houve uma profunda revisão em sua cultura organizacional para torná-la mais ágil, transparente e menos hierarquizada. A aceleração da transformação cultural permitiu que o desenvolvimento de 10 princípios formasse os pilares de um novo propósito: Empoderar pessoas que constroem o futuro. Em paralelo, a transformação digital introduziu um mindset de agilidade, que não teria sido possível sem as mudanças estruturais ocorridas na cultura da organização. O processo resultou em novos comportamentos, novas formas de trabalhar, bem como na priorização do uso de ferramentas de tecnologia e dados.

Outra mudança substancial deu-se no comando da Empresa. Desde 2018, a produtora de aço está sob a liderança de Gustavo Werneck, o primeiro CEO fora da família Gerdau Johannpeter. "Nossas raízes estão presentes na vida das pessoas: no lugar onde moram, trabalham, se cuidam e se divertem ou nas indústrias que movem o mundo. Celebrar esta data é reconhecer a ancestralidade de nossas origens e a fertilidade do futuro que nos molda a todo momento", reflete Werneck.

Veja mais notícias sobre EmpresaMemóriaRio Grande do Sul.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Quarta, 26 Janeiro 2022

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://amanha.com.br/