Sul responde por 23% da geração de energia solar no país

Rio Grande do Sul é o terceiro estado brasileiro com maior potência
As usinas solares de grande porte geram eletricidade a preços até dez vezes menores do que as termelétricas

A região Sul é responsável por 23% de todo o parque brasileiro de energia solar. Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul possuem 1.925,5 megawatts (MW) em operação nas residências, comércios, indústrias, propriedades rurais e prédios públicos, de acordo com recente mapeamento da Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (ABSOLAR).

O Rio Grande do Sul está entre os três estados brasileiros com maior potência instalada de energia solar na geração própria em telhados e pequenos terrenos. A potência instalada no Rio Grande do Sul coloca o estado na terceira posição do ranking nacional. Segundo a entidade, o território gaúcho responde sozinho por 12% de todo o parque brasileiro de energia solar na modalidade. Desde 2012, a geração própria de energia solar já proporcionou ao Rio Grande do Sul a atração de mais de R$ 5,1 bilhões em investimentos, geração de mais de 30,0 mil empregos e a arrecadação de mais de R$ 1,4 bilhão aos cofres públicos.

O Paraná possui 452,4 MW de energia solar em operação nas residências, comércios, indústrias, propriedades rurais e prédios públicos. A potência instalada em telhados e pequenos terrenos no Paraná coloca o estado na sexta posição do ranking. Segundo a entidade, o território paranaense responde sozinho por 5,4% de todo o parque brasileiro de energia solar na modalidade. Desde 2012, a geração própria de energia solar já proporcionou ao Paraná a atração de mais de R$ 2,4 bilhões em investimentos, geração de mais de 13,5 mil empregos e a arrecadação de mais de R$ 568,2 milhões aos cofres públicos. Já Santa Catarina possui 471,9 MW instalados de energia solar na geração própria (veja mais detalhes no infográfico ao final desta reportagem).

Para Mara Schwengber, coordenadora estadual da ABSOLAR no Rio Grande do Sul, o avanço da energia solar no país, via grandes usinas e pela geração própria em residências, pequenos negócios, propriedades rurais e prédios públicos, é fundamental para o desenvolvimento social, econômico e ambiental do Brasil e ajuda a diversificar o suprimento de energia elétrica, reduzindo a pressão sobre os recursos hídricos e o risco da ocorrência de bandeira vermelha na conta de luz da população.

Liciany Ribeiro, coordenadora estadual da ABSOLAR no Paraná, concorda com a posição de Mara. "O estado do Paraná é atualmente um importante centro de desenvolvimento da energia solar. A tecnologia fotovoltaica representa um enorme potencial de geração de emprego e renda, atração de investimentos privados e colaboração no combate às mudanças climáticas", comenta.

Para o presidente executivo da ABSOLAR, Rodrigo Sauaia, a energia solar ajuda a população e empresas a se proteger dos fortes aumentos nas contas de luz e contribui para a sustentabilidade do País. "Além disso, as usinas solares de grande porte geram eletricidade a preços até dez vezes menores do que as termelétricas fósseis emergenciais ou a energia elétrica importada de países vizinhos atualmente, duas das principais responsáveis pelo aumento tarifário sobre os consumidores", revela.

Quer saber mais sobre infraestrutura?
Receba diariamente a newsletter do Grupo AMANHÃ. Faça seu cadastro aqui e, ainda, acesse o acervo de publicações do Grupo AMANHÃ.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Segunda, 23 Mai 2022

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://amanha.com.br/