Sidebar Menu

Smart city já forma profissionais especializados em criar e gerenciar soluções

Primeiros experts com conhecimentos específicos chegam ao mercado para atender empresas e poder público
O Expert foi o primeiro curso da iCities Academy, que está lançando neste ano outros formatos de capacitação e se prepara para receber a segunda turma

O que gestores e servidores públicos, empresários, profissionais autônomos e acadêmicos têm em comum quando o assunto são soluções de smart cities? As aplicações são diversas, mas a capacitação em cidades inteligentes interessa a todos os setores, da mobilidade à sustentabilidade, passando pela infraestrutura, energia e gestão pública e privada. Criado para suprir uma lacuna em formação profissional nessa área, o curso Smart City Expert está formando nesse semestre a primeira turma de experts, após dez módulos de conteúdos desenvolvidos mensalmente em formato híbrido.

O Expert foi o primeiro curso da iCities Academy, que está lançando neste ano outros formatos de capacitação e se prepara para receber a segunda turma. A iniciativa traz o aval do iCities, empresa criada em 2011 que realiza em Curitiba a edição brasileira do maior evento de cidades inteligentes do mundo, o Smart City Expo Curitiba, com chancela da Fira Barcelona. Pioneiro no Brasil, o iCities também desenvolve projetos e soluções de cidades inteligentes e essa expertise vem contribuindo para que vários dos formandos estejam colocando em prática projetos, soluções e tecnologias para empresas e municípios de todo o país.

Apaixonado por smart cities desde 2018, o paraibano Raniere Veras participou de todos os módulos do curso de capacitação e abriu sua própria empresa, a startup Smart Progress, de consultoria para governos na engenharia e desenvolvimento de projetos em smart cities. "Conheci o iCities através do Smart City Expo Curitiba, quando começamos nosso networking que me levou a integrar a comitiva para Barcelona, em 2019, onde participamos do Smart City Expo World Congress. Decidi aprofundar meus conhecimentos para conseguir uma visão holística e sistêmica sobre as cidades inteligentes. Apesar do cenário da pandemia não ser favorável aos encontros presenciais, temos que ser resilientes e nos adaptarmos. A tecnologia nos proporciona expandir os limites geográficos, com conexões a pessoas fantásticas dentro e fora do país", conta Veras.

Engenheiro civil de formação, tem projetos em andamento com prefeituras e com o Sebrae, com foco em municípios de pequeno e médio porte na Paraíba e no Rio Grande do Norte. "Estamos fazendo uma 'catequização inicial', quebrando paradigmas e desconstruindo os conceitos, para polinizar outros setores além da tecnologia. Vivemos em uma realidade discrepante do Sul do Brasil, com uma visão quase utópica sobre cidades inteligentes, pessoas e gestores. Uma smart city é um estilo de vida, que envolve basicamente o cidadão. Temos que ter o sentimento de protagonismo, de buscar demandas e soluções, de pertencimento com a cidade. Precisa ter pessoas inteligentes numa smart city, mais interessadas, acesso à informação e dados."

Já Marcus Machado atua no Tribunal de Contas do Estado do Paraná e está aplicando os conhecimentos em seu dia a dia profissional na área pública. "Pude conhecer melhor a expertise das cidades inteligentes, que começam a tornar-se realidade em diversas regiões do país. A proximidade entre a teoria e a prática faz com que percebamos a possibilidade de implementar soluções tecnológicas e inteligentes. Como servidor de um órgão de controle, a atualização constante e o conhecimento da realidade prática são necessários para o real conhecimento das necessidades públicas, que podem ser aliadas a soluções inteligentes e econômicas, conforme demonstrado no curso", relata.

Mariana Medeiros, Raniere Veras, Marcus Machado e Rodrigo Cruvinel: experts em cidades inteligentes

Módulo sobre PPPs
Para Rodrigo Cruvinel, gerente comercial da Sanetran – empresa de saneamento ambiental sediada em Curitiba, que oferece serviços públicos para municípios – a abordagem das Parcerias Público Privadas (PPPs) foi um dos conteúdos mais interessantes. "Estamos com um processo em andamento de um Procedimento de Manifestação de Interesse (PMI) para entrar em uma PPP em Sinop, no Mato Grosso. Meu objetivo era aprofundar os conhecimentos nessas parcerias, pois faço essa venda dos serviços para as prefeituras. Foi bastante proveitoso, valorizei muito o nível dos professores e dos participantes do módulo. Não esperava que as trocas fossem tão produtivas. Posso dizer que abri minha cabeça sobre novos serviços que podem ser implantados dentro da empresa, em PPPs e outras iniciativas. Tenho levado essas ideias para o jurídico, o planejamento, conselheiros e diretores da empresa."

"Pude me inserir de maneira mais ativa no ecossistema de compras públicas, além de iniciar o processo de aceleração da minha empresa no laboratório indicado. Identifiquei os gaps em relação ao meu processo de vendas e como poderia remodelar para aplicar adequadamente a legislação que rege as licitações ao meu favor", revela Mariana Medeiros, que atua na iniciativa privada, com soluções focadas em smart mobility e smart economy e busca parcerias com o poder público.

Veja mais notícias sobre GestãoParanáTecnologia.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Quinta, 05 Agosto 2021

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://amanha.com.br/

No Internet Connection