Paraná lança o Vale do Genoma, polo de startups voltado para saúde

O projeto instalado em Guarapuava também terá ênfase em agricultura e agropecuária
A ideia é desenvolver um modelo de coopetição, um conceito organizacional que alia a cooperação à competição e que favorece o crescimento de segmentos empresariais e profissionais

O Paraná deu um novo passo para a implantação do Vale do Genoma, um polo de startups voltado para a pesquisa genética que será instalado em Guarapuava. Nesta quinta-feira (18), o superintendente estadual de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Seti), Aldo Nelson Bona, assinou um Memorando de Entendimento (MOU), firmado entre o setor público e a iniciativa privada, com participação da comunidade científica, estabelecendo as diretrizes para criação do Conselho Curador do Vale do Genoma.

O Vale do Genoma será um ecossistema de inovação com abordagem na pesquisa genômica e em inteligência artificial aplicada à saúde, com ênfase também em agricultura e agropecuária. A iniciativa é articulada pelo governo paranaense, por meio da Seti, com a participação da academia e da iniciativa privada. A ideia é desenvolver um modelo de coopetição, um conceito organizacional que alia a cooperação à competição e que favorece o crescimento de segmentos empresariais e profissionais.

"Com o Vale do Genoma, Guarapuava será um polo na área da genômica, voltado não apenas para a saúde humana, como também para a questão da pecuária e da agricultura, buscando o melhoramento genético de plantel, tudo aquilo que a pesquisa genética permite fazer", afirmou Aldo Bona. Além disso, a estruturação desse ecossistema de inovação vai impactar na geração de negócios entre startups e outras empresas, a partir do desenvolvimento de soluções inovadoras e tecnológicas, considerando o conhecimento científico e a participação de pesquisadores e da comunidade acadêmica.

Estrutura
O Vale do Genoma fará parte da estrutura da Cidade dos Lagos, bairro planejado inteligente de Guarapuava, que já conta com câmpus da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) e da Universidade Estadual do Centro-Oeste (Unicentro), além do Hospital Regional de Guarapuava, o Cancer Center e o Instituto para Pesquisa do Câncer de Guarapuava (Ipec).

A partir da assinatura do Memorando de Entendimento, o Conselho Curador deve ser constituído em até 90 dias e, a partir dele, será elaborada toda a regulação do Vale do Genoma, além da constituição de um fundo de investimentos para apoiar o desenvolvimento de startups. Duas empresas já irão aportar o capital inicial para esse fundo, os grupos Repinho e Jacto. Também vai estabelecer outras estruturas para a operacionalização do Vale do Genoma, a exemplo de um conselho consultivo e de alguns comitês, para os quais serão indicados pesquisadores de renome em Genômica e Inteligência Artificial na Saúde, Agricultura e Agropecuária.

No contexto científico estadual, o Vale do Genoma representa uma unidade central de prestação de serviços de sequenciamento genético e de procedimentos correlatos para pesquisadores de todas as instituições de ensino superior e institutos de pesquisa científica. O ecossistema foi pensado para atender demandas de sequenciamento de vários projetos, inclusive no âmbito da agricultura e agropecuária, por meio de metodologias de alto desempenho.

Para impulsionar startups no segmento, será constituída uma venture builder, um tipo de organização focada em desenvolver novas empresas de forma sistemática, a partir do compartilhamento de recursos humanos e logísticos, como infraestrutura física e setores jurídico, contábil, mercadológico, entre outros.

Veja mais notícias sobre EmpreendedorismoSaúdeTecnologiaParaná.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Segunda, 25 Outubro 2021

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://amanha.com.br/