Atividade da indústria gaúcha tem forte queda

IDI-RS mostra recuo de 2,6% em setembro
O nível de atividade da indústria gaúcha esteve, em setembro, apenas 1,8% acima do anterior ao da pandemia

Com queda disseminada em todas as seis variáveis que compõem a pesquisa, o Índice de Desempenho Industrial (IDI-RS) caiu 2,6%, em setembro, ante agosto, devolvendo grande parte da alta de 3,1% registrada no oitavo mês do ano. Houve recuo nas compras industriais (-7,3%), no faturamento real (-2,8%), na utilização da capacidade instalada-UCI (-1 ponto percentual), horas trabalhadas na produção (-0,6%), massa salarial real (-0,6%) e emprego (-0,5%). "Os resultados estão, em parte, impactados pelos eventos climáticos que afetaram as operações das empresas nas regiões mais atingidas pelas chuvas, e pela diferença de calendário, com quatro dias úteis a menos do que agosto. Esses fatores somam-se ao cenário econômico doméstico, que já era bastante desfavorável com o baixo nível da demanda, e dos investimentos, especialmente por conta dos juros e da incerteza elevados", disse o presidente da Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Sul (Fiergs), Gilberto Petry, ao comentar os resultados do levantamento realizado pela entidade.

Essa foi a décima queda do IDI-RS nos últimos 13 meses, acumulando perdas de 12,2%. Com isso, o nível de atividade da indústria gaúcha esteve, em setembro, apenas 1,8% acima do anterior ao da pandemia [em fevereiro de 2020], depois de alcançar a marca de 15,9% em agosto de 2022. De acordo com Petry, o acúmulo de estoques, os baixos índices de confiança dos empresários e a ociosidade alta também contribuem para manter o ambiente pouco propício a uma retomada da atividade industrial nos próximos meses. Na comparação anual, o fim do terceiro trimestre também foi de perdas generalizadas. Em relação ao mesmo mês do ano passado, o IDI-RS exibiu, em setembro, a nona e mais intensa baixa do ano: retração de 10,2%. Diante disso, a queda acumulada da atividade industrial em 2023 se intensificou para uma queda de 5,1%, em setembro. Com exceção da massa salarial real, que, apesar da desaceleração, ainda mantém uma taxa positiva de 4,4%, todos os demais componentes do IDI-RS contribuíram para a queda do índice no acumulado entre janeiro e setembro, com destaque para as compras industriais (-14,4%) e o faturamento real (-5,8%). Pesaram também a UCI (-3,5 pontos percentuais), as horas trabalhadas na produção (-2,9%) e o emprego (-0,2%), que entrou no terreno negativo pela primeira vez no ano.

Veja mais notícias sobre BrasilEconomiaIndústriaRio Grande do Sul.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Segunda, 22 Abril 2024

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://amanha.com.br/