De olho nos gigantes

Grupo K1 inicia processo de internacionalização da marca nos Estados Unidos e planeja ampliar presença no mercado asiático
Conglomerado também sentiu a desorganização da cadeia produtiva mundial, com falta de insumos e a alta de preços


"Nossa inquietude é desafiadora", escreveu Celso Theisen, vice-presidente do Grupo K1, ao responder sobre os resultados colhidos em 2020 e, principalmente, em 2021, ano que teve como principal destaque a ampliação dos embarques para o exterior. O resultado lá fora foi surpreendente ao exibir um crescimento próximo de 100% em vendas em comparação ao ano anterior. De acordo com cálculos preliminares de Theisen, o acréscimo resultará em uma receita até 18% maior.

Nesse passo, dois consumidores gigantescos estão na linha de visão da companhia. "Iniciamos um processo de internacionalização da marca nos Estados Unidos com diferentes formas de comercialização e armazenamento em um centro de distribuição em Miami. Além disso, planejamos ampliar nossa presença no mercado asiático por meio de participação na feira CIFF Internacional Fair, na China", conta Theisen, animado.

Catapultado pelo "novo normal" da pandemia – que impulsionou as vendas de móveis e decoração para reformas de residências –, o Grupo K1 também sentiu a desorganização da cadeia produtiva mundial, com falta de insumos e a alta de preços. "Aliar a tendência do novo formato de trabalho remoto ao aumento de consumo on-line nos fez buscar mais um canal de venda e nos aproximarmos do nosso consumidor através dos marketplaces e e-commerce próprio", destaca Theisen.

Outra estratégia do conglomerado é fazer com que a fábrica de Tupandi (RS), cidade-sede da companhia, tenha toda a sua produção voltada exclusivamente para o exterior. O Brasil será atendido pela unidade do Nordeste. A companhia implantou uma indústria de estofados na região de Santa Rita, próximo a João Pessoa (PB) em uma área de 10 mil metros quadrados, investimento que demandou inicialmente um aporte de R$ 12 milhões.

Nos próximos quatro anos, a ideia é instalar em uma área de 100 hectares, nos arredores da capital paraibana, as demais linhas de produção de interesse do Grupo K1.

Este conteúdo integra o ranking 500 MAIORES DO SUL, publicado pelo Grupo AMANHÃ com o apoio técnico da PwC. Leia o anuário completo clicando aqui, mediante pequeno cadastro.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Segunda, 23 Mai 2022

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://amanha.com.br/