Curitiba é o segundo ecossistema emergente mais promissor para startups na América Latina

Capital do Paraná ficou atrás apenas do Rio de Janeiro. Belo Horizonte, Monterrey, no México, e Porto Alegre completam o Top Five
Curitiba é a casa de três unicórnios e de cerca de 600 outras startups que buscam também crescimento com o apoio do Vale do Pinhão


Curitiba é o segundo ecossistema emergente mais promissor para startups na América Latina. O resultado consta no ranking Global Startup Ecosystem Report 2023 (GSER2023), divulgado na última quinta-feira (15) e considerado um dos mais abrangentes sobre o ecossistema de startups no mundo. Na 11ª edição do estudo feito pelo Startup Genome, a capital paranaense é apontada como o segundo lugar no Top 5 dos ecossistemas emergentes latino-americanos (Top 5 Emerging Ecosystems – Regional Insights Latin America), atrás apenas do Rio de Janeiro. Em 2020, a capital paranaense havia aparecido pela primeira vez no relatório do Startup Genome. Em sua estreia na publicação, foi citada no Top 100 do relatório de ecossistemas de startups mais promissores do mundo (Top 100 Emerging Ecosystem Ranking). Naquele ano, porém, o estudo não indicou as colocações gerais ou regionais para este quesito.

Em menos de um mês, este é o segundo reconhecimento internacional que a capital paranaense recebe em relação ao ecossistema para startups. No fim de maio, Curitiba já havia figurado em outro ranking internacional sobre startups: pelo terceiro ano consecutivo, foi eleita segunda melhor cidade do Brasil para startups, no Startup Ecosystem Index Report 2023, outro importante relatório internacional sobre ambientes para startups. Figurar como "ecossistema emergente" do Global Startup Ecosystem Report significa estar entre as comunidades que apresentam alto potencial para ter melhores desempenhos globais nos próximos anos. "Somos uma cidade já é premiada e reconhecida como inovadora, conectada e smart city e este levantamento confirma que Curitiba não é só um ótimo ambiente para as startups, como emergente, mas ainda tem muito a ofertar", destaca o presidente da Agência Curitiba de Desenvolvimento e Inovação, Dario Paixão. Ele também reforçou que Curitiba é a casa de três startups unicórnios (com avaliação de mercado acima de US$ 1 bilhão) e de cerca de 600 outras startups que buscam também crescimento escalável com o apoio do Vale do Pinhão. No GSER2023, Curitiba ficou atrás apenas do Rio de Janeiro no Top 5 dos ecossistemas emergentes da América Latina. Belo Horizonte (MG), Monterrey (México) e Porto Alegre (RS) completam a lista.

Investimento em capital de risco
O GSER2023 também conferiu a Curitiba o segundo lugar entre as cidades brasileiras com mais investimento em capital de risco per capita em startups (Venture Capital fundings). Na América Latina, a cidade ficou com o quinto lugar neste quesito (Top 5 Ecosystems by VC funding per capita), atrás apenas de São Paulo (SP), Bogotá (Colômbia), Cidade do México (México) e Santiago (Chile). Os investimentos de capital de risco são, em geral, a aplicação de recursos em negócios de pequeno e médio porte e em fase inicial e com faturamento considerável e para alavancar a aceleração do negócio. Em troca, o investidor desse tipo de investimento torna-se sócio e estabelece metas rigorosas para que o potencial de crescimento se concretize.

O GSER é divulgado anualmente pelo Startup Genome, organização líder mundial de consultoria de políticas e de pesquisas sobre organizações públicas e privadas comprometidas em acelerar o sucesso de seus ecossistemas de startups no mundo. Seu relatório anual mapeia os principais sistemas de startups do mundo, os emergentes, tendências do setor e principais desafios. Os resultados são medidos a partir de uma extensa pesquisa e análise de dados de 3,5 milhões de startups e 290 ecossistemas globais. O estudo é referência para empreendedores que pretendem ingressar na cena de startups de determinada cidade ou país, para investidores a procura de novos e promissores talentos e para negócios já consolidados que podem aumentar sua gama de contatos dentro da área de atuação.

O Vale do Silício (EUA) continua liderando o ranking GSER, entre os ecossistemas mundiais de startups, seguido por Nova Iorque (EUA), Londres (Inglaterra), Los Angeles (EUA) e Tel Aviv (Israel). São Paulo é a única cidade brasileira no Top 30 mundial de ambientes para startups, em 26º lugar no Global Startup Ecosystem Report do Startup Genome. "Outras cidades brasileiras também estão desenvolvendo rapidamente sua própria tecnologia comunidades de startups, beneficiando-se do Marco Legal para Startups, lançado em junho de 2021, que incentiva as empresas a experimentar tecnologias inovadoras e modelos de negócios", apontou o relatório, sobre o momento do ecossistema brasileiro como um todo.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Sexta, 14 Junho 2024

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://amanha.com.br/