CNM defende maior distribuição de receitas aos municípios

Confederação sugere que reforma não gere aumento da carga tributária
Glademir Aroldi declarou que é importante rever a tributação brasileira não somente sobre o consumo

O presidente da Confederação Nacional dos Municípios (CNM), Glademir Aroldi, defendeu que a reforma tributária promova revisão da distribuição de receitas para as prefeituras. Ele participou de audiência pública virtual da Comissão Mista Temporária da Reforma Tributária do Congresso Nacional. "Do conjunto de impostos sobre o consumo de que tratam as propostas [de reforma tributária] em tramitação no Congresso Nacional – a PEC [Proposta de Emenda à Constituição] 45, a PEC 110 e, agora, a proposta do governo –, os municípios detêm 22% dessa arrecadação. Então, é importante continuarmos com, no mínimo, esse percentual. O ideal seria ampliarmos a nossa participação, ampliarmos o percentual de compartilhamento com os municípios brasileiros", conjecturou.

Segundo Aroldi, nos últimos 32 anos, a União e os Estados repassaram responsabilidades para os municípios, sem a contrapartida da ampliação de recursos. Ele citou como exemplo os gastos com saúde. "A legislação estabelece um investimento por parte dos municípios na ordem de 15% do seu orçamento, e hoje estamos investindo, em média, 23%. Alguns municípios estão investindo 30%, 35%, chegando a 37% do seu orçamento, por conta de que a União e os Estados se afastaram da prestação dos serviços públicos à população brasileira ao longo dos últimos anos", exemplificou.

Aroldi declarou ainda que é importante rever a tributação brasileira não somente sobre o consumo. "Também é fundamental preservar a autonomia de municípios e dos estados da Federação brasileira. Nós não concordamos com uma proposta fragmentada. Acreditamos que um imposto sobre bens e serviços definitivamente terá de ter a participação da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos municípios, de forma paritária no que diz respeito ao controle, no que diz respeito à administração e à fiscalização desse novo tributo", ressaltou.

O presidente da CNM, que é ex-prefeito de Saldanha Marinho (RS), também defendeu que a reforma não gere aumento da carga tributária. "Havendo desenvolvimento econômico, vai acontecer o aumento da arrecadação da União, Estados e municípios automaticamente, sem que haja a necessidade da carga tributária", afirmou.

Com Agência Brasil

Veja mais notícias sobre TributosBrasil.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Sexta, 12 Agosto 2022

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://amanha.com.br/