Sidebar Menu

Santa Casa lança ferramenta que detecta prescrições fora do padrão

Desenvolvido em conjunto com a startup NoHarm.ai, sistema contribui para o uso seguro de medicamentos em ambiente hospitalar
O projeto-piloto teve início em abril no Hospital São Francisco da Santa Casa e, em apenas 45 dias, foi possível validar com a equipe

A Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre, por meio de seu Centro de Inovação, em parceria com a NoHarm.ai, desenvolveu dois algoritmos de automação para triagem farmacêutica. As duas inteligências trabalham em conjunto: enquanto a primeira prioriza as prescrições mais críticas, a segundo indica potenciais erros da prescrição, levando em consideração os resultados dos exames do paciente, o que aumenta a eficiência hospitalar.

O projeto-piloto da NoHarm teve início em abril no Hospital São Francisco da Santa Casa e, em apenas 45 dias, foi possível validar com a equipe farmacêutica o produto mínimo viável (MVP). Esta é a primeira de uma série de soluções que serão criadas pelo Instituto de Inteligência Artificial na Saúde em parceria com a Santa Casa, que tem como foco a criação de sistemas inteligentes voltados para a segurança dos pacientes usuários do SUS que representam em torno de 70% dos atendimentos realizados pela instituição.

O nome NoHarm, que em inglês quer dizer "sem dano", faz referência ao fato de a ferramenta ajudar na prevenção de danos aos pacientes a partir de prescrições de medicamentos fora do padrão, e foi inspirado no desafio global para segurança do paciente lançado pela Organização Mundial da Saúde em 2017 que justamente tem como tema "Uso Seguro de Medicamentos (Medication Without Harm)".

Atualmente em uso nos hospitais São Francisco e Santa Clara, ambos da Santa Casa, a NoHarm já avaliou 8 mil prescrições, impactando na vida de mais de 1.300 pacientes internados. A tecnologia alerta para possíveis prescrições de medicamentos fora do padrão e sinaliza resultados dos exames fora dos valores de referência. Adicionalmente, a NoHarm.ai indica potenciais erros relacionados a medicamentos prescritos que impactam a função hepática e renal dos pacientes, que apresentam comorbidades baseado no resultado dos seus exames. 

Veja mais notícias sobre TecnologiaRio Grande do Sul.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Quarta, 05 Mai 2021

Imagem do Captcha


Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://amanha.com.br/

No Internet Connection