Sidebar Menu

De paraíso das fake news à ferramenta de articulação social

Redes sociais reúnem centenas de startups e de voluntários em torno de soluções para a crise do Covid-19

Períodos de crise como o da pandemia de Covid-19 fazem desandar uma enxurrada de informações difíceis de filtrar, que dão a impressão de que estamos todos correndo muito, mas em círculos. As redes sociais trazem, porém, uma nova camada de comunicação social em que as pessoas conseguem se organizar mesmo sem contato pessoal, para pensar e agir de forma coletiva em torno de soluções. O outro elemento vital desse arranjo é a incrível capacidade de resposta rápida das startups de tecnologia. A nova economia tem essa cara: é ágil, é compartilhada e é solidária.

Nos últimos dias, vários grupos de voluntários brasileiros vêm se formando em redes como WhatsApp e Telegram. Um deles, o #StartupsVsCovid19, lançado sexta-feira, 13, em Curitiba, já reúne mais de 400 pessoas. A ideia é que o ecossistema de inovação e as startups apresentem alternativas que ajudem a mitigar os efeitos do Covid-19, auxiliando na busca por soluções concretas que amenizem os impactos do coronavírus. Em três dias, por meio do WhatsApp e do Telegram, o grupo organizou um mapa com 50 startups e soluções, que pode ser visto aqui.

A campanha #StartupsVsCovid19 é uma iniciativa da Comunidade Governança & Nova Economia (Gonew.Co), com apoio da Associação Brasileira de Startups (ABStartups). As startups podem compartilhar suas soluções com a hashtag #StartupsVsCovid19 e cadastrá-las no formulário. Aprovadas pela curadoria, as contribuições podem integrar as próximas versões do Mapa de Startups e Soluções para o Covid-19. "Você também pode se tornar um voluntário deste movimento em https://lnkd.in/eWGUEeF", convida Anderson Godz, fundador da Gonew.Co e ativo articulador do ecossistema de inovação paranaense, com atuação crescente em outros estados brasileiros. O mapa apresenta as startups em cinco grandes áreas: conscientização/informação, diagnóstico, prevenção, tratamento e assistência e trabalho remoto. Há soluções como aplicativos para acesso a informações oficiais e mapas do avanço do coronavírus, como o da Benkyou do Brasil. E teste sorológico de 10 minutos, ao preço de R$ 130, prestes a ser lançado no mercado pela Hi Tecnologies.

Em outro grupo de WhatsApp, o Rede de Apoio Covid19, o advogado e jornalista curitibano Rhodrigo Deda já reuniu mais de 250 pessoas em torno da proposta de resgatar parcelas vulneráveis da população, que tendem a sofrer mais nas próximas semanas com o isolamento social e a falta de dinheiro. Os voluntários estão se organizando em duas frentes, inicialmente: arrecadação de alimentos para as pessoas de baixa renda que vão precisar ficar confinadas; uma rede de conexão dos diversos atores do ecossistema de empreendedorismo para analisar problemas e propor soluções. Quem deseja participar pode acessar aqui.

MAIS NOTÍCIAS
Previsul autoriza indenização em casos de coronavírus

A seguradora Previsul anunciou que indenizará segurados que tiverem perdas ocasionadas pela Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus. Serão indenizadas as coberturas de seguro decorrentes de morte de qualquer causa, internações e rendas por incapacidade que contenham cobertura de doença, ocasionadas pelo novo vírus, respeitando as condições dos seguros, os prazos de carência e franquia (se houver), ainda que de acordo com as normas regulatórias o risco de pandemias seja excluído.

"Assegurar pessoas é o que fazemos há mais de 110 anos. Considerando o momento crítico que vivemos no país e entendendo que o seguro tem um importante papel social, é nosso dever, como seguradora, colaborar para amenizar as perdas de nossos segurados", afirma o presidente, Renato Pedroso. Com 113 anos de atuação, a Previsul é referência como seguradora Multirriscos no Brasil. Está presente em 12 estados brasileiros, com aproximadamente 30 pontos de atendimento em todo o país, que oferecem todo o suporte para o corretor, principal parceiro da Previsul.

Pandemia acelera busca por recursos da telemedicina
A DBM Contact Center, empresa curitibana que oferece soluções de atendimento a clientes, acusa um aumento de 25% nas consultas de seus clientes da área da saúde sobre recursos de telemedicina para implementar em suas operações. As empresas desse segmento correspondem a 20% da carteira de clientes da DBM, que vem recebendo diariamente pelo menos um pedido de orçamento para implementação de chatbots - os robôs de atendimento - e plataformas de atendimento remoto, desde que o Brasil entrou no mapa da pandemia causada pelo novo coronavírus. "Os recursos da telemedicina são uma forma de agilizar a comunicação e acalmar os ânimos dos clientes, que sentem angústia e vontade de correr para o médico mesmo quando os sintomas gripais são leves. As próprias empresas de saúde, para evitarem o colapso em seus sistemas de atendimento, estão orientando os beneficiários a buscarem ajudas pelos aplicativos. Nós podemos colocar um profissional da saúde dentro da nossa operação para passar orientações para o paciente", diz Kelwin Willian, gerente comercial da DBM.

Os chatbots são, destaca Willian, muito eficientes para o primeiro nível da chamada de um cliente. Se o beneficiário ligar para marcar um exame de sangue, por exemplo, esse procedimento pode ser feito pelos robôs. Eles estão habilitados para repassar aquelas informações que não mudam em nenhuma situação, ou seja, quando a prescrição será sempre a mesma: o usuário deve ficar 8 horas em jejum, liberar a guia do procedimento um dia antes e chegar ao laboratório com 15 minutos de antecedência. Nesse episódio do coronavírus, em particular, o robô é habilitado para fazer uma triagem, com base no histórico do paciente, para que os casos suspeitos sejam encaminhados para o atendimento feito por pessoas ou para seguir com orientações de como os clientes devem proceder."O grande diferencial dos robôs é a agilidade no trabalho, já que a máquina consegue atender centenas de interações ao mesmo tempo e desafogar o teleatendimento. Para se ter uma ideia, o robô pode conseguir reter de 30 a 40% das ligações. Com um volume menor de ligações na linha de espera, o atendimento feito pelos humanos ganha em agilidade e assertividade. Há uma melhora de desempenho na qualidade da comunicação entre o tele atende e o cliente, fator que é importante para agradar e fidelizar o beneficiário", acrescenta Willian.

Figurate Focacceria presenteia clientes de delivery
Para compensar a queda no atendimento presencial de clientes, a Figurate Focacceria, de Curitiba, resolveu incrementar o delivery com um presente: quem usar o serviço, ganha em casa um clássico cannoli italiano. O objetivo do chef Henrique Campos e de seu sócio, João Battaglin, é atender a demanda da casa e, ao mesmo tempo, evitar aglomerações. "Mais do que uma promoção, a ação é um incentivo e um ato de respeito a quem já restringiu as saídas de casa para evitar o novo coronavírus. Além disso, reforçamos todos os protocolos de higiene, tanto no salão quanto na cozinha", conta Battaglin.

AGENDA BUSINESS
A ESIC Internacional promove a 15ª edição do Prêmio Áster, que prestigia empresas e profissionais bem sucedidos com destaque no meio empresarial, social e acadêmico. São seis categorias homenageadas: Trajetória Profissional, Trajetória Empresarial, Empreendedorismo, Responsabilidade Social, Comunicação e a categoria Pe. Dehon de Excelência, que premia os alunos com melhor desempenho acadêmico. As indicações podem ser feitas por alunos, professores, parceiros, profissionais liberais e membros da comunidade nas redes sociais da ESIC ou por este link até o dia 10 de abril.

Veja mais notícias sobre Tecnologia.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Quinta, 17 Junho 2021

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://amanha.com.br/

No Internet Connection