Capacidade de geração de energia eólica deve bater recorde neste ano

Previsão é da associação do setor
Estudo divulgado da Abeeólica identificou o Porto de Rio Grande como um dos principais do país para infraestrutura dos parques offshore

O Brasil registra, até fevereiro deste ano, 890 parques eólicos instalados em 12 estados. Eles somam 25 gigawatts (GW) de capacidade instalada em operação comercial, que beneficiam 108,7 milhões de habitantes. De acordo com a Associação Brasileira de Energia Eólica (Abeeólica), até 2028 o Brasil terá 44,7 GW de capacidade instalada desse tipo de energia, cuja participação na matriz nacional atinge, atualmente, 13,2%. A eólica já responde hoje por 20% da geração de energia que o país precisa. No ano passado, o setor bateu recorde de 4 GW instalados e, para este ano, a presidente executiva da Abeeólica, Elbia Gannoum, espera atingir novo recorde, superando esse número.

"Estaremos com 29 GW de capacidade instalada ao final deste ano. Essa é a nossa previsão em termos de potência, e isso é superior a R$ 28 bilhões, pois cada gigawatt de eólica instalada é da ordem de R$ 7 bilhões", disse Elbia. Outro levantamento feito pela entidade mostra o desenvolvimento econômico-social gerado pela energia eólica. No Nordeste, por exemplo, o PIB das cidades onde os parques eólicos chegaram cresceu 21%, e o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) cresceu também 20%. Outro dado significativo é que a cada R$ 1 investido em energia eólica são devolvidos para a economia R$ 2,9.

O Brasil ocupa desde 2021 a sexta posição no ranking mundial em capacidade instalada de energia eólica. Segundo Elbia, agora fica mais desafiador para o país ultrapassar essa marca e se aproximar dos dois primeiros colocados, que são a China e os Estados Unidos. Ela considera difícil alcançar a China, por exemplo, que "cresce quase o Brasil por ano em investimento em energia". De 2011 a 2020, foram feitos investimentos no setor eólico de US$ 35,8 bilhões. Esses recursos movimentaram na economia brasileira em R$ 321 bilhões, dos quais R$ 110,5 bilhões foram investimentos diretos na construção de parques eólicos.

A presidente da Abeeólica informou que, em relação à instalação de parques eólicos offshore (no mar), está sendo preparada estrutura regulatória no Brasil que permita a realização de estudos e projetos. "Depois desse aparato regulatório, a gente vai ter leilão de cessão e, após isso, vamos começar a fazer, efetivamente, os projetos. Para este ano, pretendemos ter a regulação toda terminada para fazer os primeiros leilões de cessão do uso do mar. É parecido com o setor de petróleo, onde há leilões de áreas", explicou. Ela explicou que, ao contrário de usinas eólicas onshore (em terra), que têm características de vento com destaque na região Nordeste, nos parques offshore, a presença desse tipo de vento ocorre em todo o litoral brasileiro.

O fator determinante é a infraestrutura, pois usinas offshore dependem muito de porto e indústria, principalmente. "São portos maiores que vão abrigar a fabricação das pás, das torres e das naceles eólicas". As naceles são compartimentos instalados no alto das torres que abrigam todo o mecanismo do gerador. Estudo divulgado em janeiro pela Abeeólica identificou o Complexo do Pecém, no Ceará; o Porto do Açu, no estado do Rio de Janeiro; e o Porto de Rio Grande, no Rio Grande do Sul, como os principais do país para infraestrutura dos parques offshore.

Com Agência Brasil

Veja mais notícias sobre AMANHÃ SustentávelBrasilInfraestrutura.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Segunda, 22 Abril 2024

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://amanha.com.br/