Exportações da indústria começam ano em queda no Rio Grande do Sul

Na comparação com janeiro de 2023, retração foi de 5,8%
Embora as exportações da indústria tenham se mostrado bastante diversas, a maior parte do faturamento com as vendas externas não se alterou no primeiro mês do ano

Com menor demanda pelos bens industrializados do Rio Grande do Sul, que caíram tanto nos preços (-2,6%) quanto nas quantidades (-3,4%) em janeiro de 2024, as exportações da indústria de transformação gaúcha recuaram 5,8% na comparação com o mesmo mês de 2023. O faturamento foi de US$ 1,3 bilhão. "O ano de 2024 começou da mesma forma como terminou 2023. Com o mercado externo menos aquecido, o que traz prejuízos para a indústria do nosso estado, marcadamente exportadora", afirma o presidente da Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Sul (Fiergs), Gilberto Petry.

Dos 23 segmentos exportadores da indústria de transformação do Rio Grande do Sul, 13 apresentaram faturamento maior. Embora as exportações do setor tenham se mostrado bastante diversas, com mais de 140 mercados consumidores pelo mundo, a maior parte do faturamento com as vendas externas não se alterou no primeiro mês do ano. Veio proveniente dos mesmos parceiros habituais do Rio Grande do Sul: o mercado chinês foi o que mais comprou, US$ 313,7 milhões, US$ 5,1 milhões a menos do que em janeiro de 2023. Em seguida, os Estados Unidos adquiriram US$ 238,4 milhões, incremento de US$ 114,2 milhões. A queda mais forte ficou com a Argentina, com retração de US$ 21,1 milhões, em um total de US$ 56,8 milhões adquiridos.

Em relação aos segmentos também não houve alterações significativas e o ramo de alimentos se manteve à frente, com maior faturamento em janeiro de 2024: US$ 364,2 milhões. Mesmo assim, houve recuo de US$ 122 milhões na receita, correspondendo a uma queda superior a 25% em relação a janeiro de 2023. Em segundo lugar, tabaco apresentou faturamento de US$ 284,4 milhões (-US$ 16 milhões ou -5,3%). A queda observada na receita deveu-se mais a uma menor quantidade exportada (-15,7%) do que aos preços de exportação, que subiram 12,2%. O terceiro setor com maior destaque foi o de máquinas e aparelhos elétricos, com faturamento de US$ 128,7 milhões (+US$ 116,7 milhões, o que equivale a uma elevação de 971,3%). Embora os preços médios tenham caído 43,8%, houve um avanço expressivo, e bastante atípico, de 1.805,2%, na quantidade exportada pelo segmento. O ramo de produção com maior destaque foi o de fabricação de transformadores, indutores, conversores, sincronizadores e semelhantes, vendidos especialmente para os Estados Unidos. Segundo levantamento da unidade de estudos econômicos da Fiergs, o município de Canoas foi o responsável por essa exportação atípica.

Veja mais notícias sobre Sul for ExportEconomiaRio Grande do Sul.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Segunda, 22 Abril 2024

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://amanha.com.br/