Sidebar Menu

Taurus assina joint venture com Jindal Group

A Taurus informou que, após concluído os estudos de viabilidade, foi assinado um acordo definitivo para criação de uma joint venture que permitirá a fabricação e comercialização de armas na Índia. A assinatura da sociedade aconteceu durante a missão ...
Taurus assina joint venture com Jindal Group

A Taurus informou que, após concluído os estudos de viabilidade, foi assinado um acordo definitivo para criação de uma joint venture que permitirá a fabricação e comercialização de armas na Índia. A assinatura da sociedade aconteceu durante a missão comercial do governo Bolsonaro ao país. 

A Jindal Group, maior fabricante de aço da Índia e uma das dez maiores do mundo, detentora de um faturamento anual superior a US$ 24 bilhões e com 200 mil funcionários, é a sócia da Taurus, com 51% do capital da joint venture e a Taurus, 49% do capital. A joint venture criada implantará uma fábrica de armas na Índia, onde serão produzidos fuzis, pistolas e revólveres, para os mercados civis, de segurança pública e militar.

Com o acordo, a empresa gaúcha conquistou um poderoso parceiro que abrirá o promissor mercado indiano aos produtos da Taurus. “A assinatura dessa joint venture é um marco importante para conquistar ainda mais espaço no cenário global, estratégia que faz parte dos planos da Taurus. Juntos com o Jindal Group podemos aumentar a capacidade das duas empresas e ampliar as vendas nesse grande e importante mercado”, afirma Salesio Nuhs, presidente da Taurus. 

A fabricação de armas e munições na Índia é regulada por um sistema de licenciamento estabelecido pela Lei de Indústrias (Desenvolvimento e Regulamentação) de 1951 e pela Lei de Armas de 1959/Regras de Armas de 2016, sob domínio completo do governo. Até 2001, a fabricação de armas de pequeno porte para as forças armadas, paramilitares e policiais estava restrita à produção de empresas pertencentes ao Departamento de Defesa. Em 2001, o governo permitiu a participação de 100% do setor privado indiano na fabricação de armas, sujeita a licenciamento, mas foi só a partir de 2015, através do Arms Act Amendment Bill, que o setor privado começou efetivamente a poder participar da indústria de defesa indiana. 

As negociações entre a Taurus e o Jindal Group duraram cerca de 11 meses. Nesse período, executivos do grupo indiano vieram à sede da companhia, em São Leopoldo, no Rio Grande do Sul, para conhecer e analisar minuciosamente a fabricante gaúcha, assim como executivos da Taurus foram à Índia conhecer o Jindal Group. 

A Taurus é a 361ª empresa da região, de acordo com o ranking 500 MAIORES DO SUL, publicado por AMANHÃ, com a parceria técnica da PwC. 

Veja mais notícias sobre Negócios do Sul.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Segunda, 18 Janeiro 2021

Imagem do Captcha


Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://amanha.com.br/

No Internet Connection