JBS e Seara devem investir R$ 250 milhões no Rio Grande do Sul

Grupo deve viabilizar operações da Languiru em Poço das Antas
As empresas têm até 31 de dezembro de 2028 para realizar os investimentos, observando os critérios aplicáveis para receberem incentivos via Fundopem/RS

As empresas JBS e Seara assinaram com o governo gaúcho, nesta terça-feira (21), um protocolo de intenções para viabilizar investimentos de R$ 250 milhões do grupo no Rio Grande do Sul. Entre outras ações, o documento assinado tem o objetivo de demonstrar o interesse do grupo em dar continuidade às operações em estabelecimentos de propriedade da Cooperativa Languiru, no município de Poço das Antas. A estimativa, de acordo com o protocolo, é que as atividades no local sejam retomadas a partir de 31 de março de 2024. "Este compromisso não é apenas um acordo comercial, é um pacto para preservar tanto a produção de suínos como o sustento de muitas famílias. A Cooperativa Languiru, que passa por uma crise financeira, é uma parte essencial do tecido econômico local, proporcionando empregos e oportunidades para os cooperados e suas famílias", afirmou Leite, durante a assinatura do protocolo. Outra iniciativa prevista é estruturar a rede de integrados para recomposição da produção de suínos na região, visando abastecer o funcionamento do frigorífico, preferencialmente com plantel de cooperados da Languiru.

O protocolo de intenções também prevê a encomenda de rações da unidade fabril da cooperativa, a fim de suprir a necessidade de alimentação para animais nos futuros integrados da Seara Alimentos. Também deve ser dada preferência para a contratação de mão de obra da cooperativa, assim como contratação de terceiros que anteriormente prestavam serviços para a Languiru. As empresas têm até 31 de dezembro de 2028 para realizar os investimentos, observando os critérios aplicáveis para receberem incentivos via Fundopem/RS. Em projeto de lei enviado à Assembleia Legislativa na semana passada, o Rio Grande do Sul autoriza que as empresas JBS, JBS Aves e Seara Alimentos utilizem saldos de crédito do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) acumulados pelo diferimento do imposto estadual, vinculando o recurso a investimentos e ampliação produtiva.

Veja mais notícias sobre Negócios do SulEmpresaRio Grande do Sul.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Segunda, 26 Fevereiro 2024

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://amanha.com.br/