Be8 investirá R$ 1,5 bilhão em esmagadora de soja no Paraná

Empresa integrante da holding ECB Group destinará produção à indústria de rações e fabricação de biodiesel
O novo empreendimento fomentará a criação de, pelo menos, 100 empregos diretos e aproximadamente 2 mil indiretos

A Be8, nome atual da BSBIOS, e o governo do Paraná assinaram de forma digital nesta quarta-feira (14) um protocolo de intenções para viabilizar investimentos em uma esmagadora de soja em Marialva, onde a empresa já tem uma unidade de produção de biodiesel. A nova planta terá capacidade de processamento de 5 mil toneladas por dia de soja para produção de óleo, farelos e casca de soja. A empresa estima que o investimento poderá chegar a R$ 1,5 bilhão, mas esse valor será agora formatado na etapa seguinte à assinatura do protocolo. A produção será destinada à indústria de rações e o óleo será matéria-prima para fabricação de biodiesel. Quando alcançar a capacidade plena de operação, o consumo de soja será de 85 mil sacas por dia, em sua maioria de fornecedores paranaenses.

"Com mais este anúncio, seguimos nossa estratégia de crescimento no Brasil, ampliando nossa estrutura na cadeia produtiva de biodiesel e de alimentos, cumprindo nosso papel de transformação positiva do cenário energético e fazendo entregas sustentáveis para as pessoas, os negócios e o planeta, gerando empregos e desenvolvimento para o país", disse Erasmo Carlos Battistella, presidente da Be8, empresa integrante da holding ECB Group, sediado em Passo Fundo (RS). O novo empreendimento fomentará a criação de, pelo menos, 100 empregos diretos e aproximadamente 2 mil indiretos, além da movimentação de cerca de 1.200 empregos que serão gerados a partir do início das obras e durar por um período de construção de, pelo menos, dois anos.

A posição estratégica da esmagadora no complexo de biodiesel já existente em Marialva, é ideal para fornecer com mais matéria-prima (óleo de soja) a demanda crescente do mercado com o aumento da mistura de biodiesel definida em 12% (B12) desde abril de 2023 - e que deve chegar a B15 até 2026. A empresa acaba de ampliar pela sexta vez a capacidade instalada de produção do biocombustível na cidade, agora em 15,4%, elevando para 540 milhões de litros por ano. "O projeto da Esmagadora já estava no planejamento da companhia há algum tempo e aceleramos os investimentos em função da retomada dos mandatos de mistura", celebra Battistella. A cidade também tem uma localização privilegiada, por um lado, a logística favorável ao Porto de Paranaguá e, de outro, o abastecimento da região Centro Oeste, o que potencializa o destino do farelo para exportação e para o mercado nacional.

O projeto prevê a construção de uma estrutura física de 96 mil metros quadrados em área que abrigará armazéns graneleiros, planta de recebimento e beneficiamento de grãos de 20 mil toneladas por dia, considerando modais rodoviário e ferroviário, e a planta de processamento de 5 mil toneladas. A unidade já conta autorização do órgão ambiental para instalação e o projeto está agora na fase de definição da tecnologia industrial que será empregada na produção. A expectativa é de que as obras se iniciem nos próximos seis meses.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Segunda, 24 Junho 2024

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://amanha.com.br/