Novos ventos de Washington

Biden aposta forte em gastos governamentais dirigidos, transferências de renda e aumento de impostos
A nova administração apresentou ao Congresso um gigantesco pacote econômico

Os ventos que sopram de Washington trazem uma mudança de ares que poderá ter consequências em todo o mundo — e talvez por muitos anos. O presidente norte-americano, Joe Biden, apresentou ao Congresso um gigantesco pacote econômico que direciona recursos para setores considerados estratégicos pela nova administração, especialmente em infraestrutura.

As cifras impressionam: o plano prevê investir US$ 2,3 trilhões nas mais diversas áreas, incluindo energia renovável, veículos elétricos, semicondutores e 5G, entre outros. O valor é superior ao PIB brasileiro, que caiu para menos de US$ 1,5 trilhão no ano passado. Mesmo antes da aprovação no Congresso, o mercado celebrou o pacote. Os setores favorecidos têm apresentado ganhos significativos e carteiras de investimento ao redor do mundo foram recalibradas para capturar as novas oportunidades. No entanto, a contrapartida de longo prazo pode ser perigosa.

Com a economia em franca recuperação pós-Covid (as projeções indicam crescimento do PIB entre 6% e 7% este ano), vários analistas argumentam que o pacote é desnecessário e tem cunho meramente político. Na verdade, o enorme estímulo fiscal pode exacerbar o risco inflacionário e contribuir para uma condição de "superaquecimento" da atividade econômica. Isto forçaria o Fed (o Banco Central dos EUA) a subir as taxas de juros antes do necessário, encurtando a longevidade do ciclo de alta.

Fortemente criticado por economistas liberais, mas defendido pelo novo establishment em Washington, o programa está ancorado em estratégias de capitalismo de estado e sinaliza um ponto de inflexão na política norte-americana. A nova administração aposta forte em gastos governamentais dirigidos, transferências de renda e aumento de impostos. Mesmo com a dívida pública em trajetória de alta, o novo pacote econômico adiciona US$ 2 trilhões aos US$ 10 trilhões gastos no combate à Covid-19. Para se ter uma ideia, a Segunda Guerra Mundial custou ao país, em valores corrigidos, cerca de US$ 4,5 trilhões.

Os ventos de Washington estão criando oportunidades de investimento muito atrativas, mas podem trazer nuvens no horizonte para o longo prazo. Como sempre, é necessário estar atento.

*Gestor de investimentos internacionais e fundador da Stratton Capital

Veja mais notícias sobre EconomiaMundo.

Veja também:

 

Comentários: 1

Caetano Petry em Quarta, 14 Abril 2021 13:56

EUA over, infelizmente, esta agenda socialista vai dar na argentinização dos Estados Unidos: a queda de um império.

EUA over, infelizmente, esta agenda socialista vai dar na argentinização dos Estados Unidos: a queda de um império.
Visitante
Sexta, 12 Agosto 2022

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://amanha.com.br/