Dólar tem sexta alta seguida com atenções a Copom

O risco de persistência da crise de saúde pode tornar a esperada recuperação econômica mais lenta, prejudicando a atratividade do Brasil como destino para investimentos
Moeda norte-americana valorizou pelo sexto pregão consecutivo

Os DIs aceleraram as quedas na parte da tarde, enquanto o Ibovespa ampliou os ganhos. Esse padrão de oscilação, segundo operadores, é típico de momentos de intensificação de apostas em mais reduções de juros --que levam a reprecificação no CDI e aumentam a atratividade do mercado de ações como classe de ativos para investimento. Do lado do câmbio, chances de mais cortes da Selic até o fim do ano corroboram perspectivas de um real ainda pressionado, já que podem estender a queda nos diferenciais de juros entre o Brasil e o mundo. Ou seja, o país passa a oferecer menos retorno apesar de nível de risco (medido pelo CDS) sem queda visível.

"Nosso cenário-base é que o BC deixa a porta aberta sem compromisso explícito de cortar", disseram analistas do Citi em nota. "O real ainda corre o risco de ter um desempenho pior, embora o corte (desta noite) esteja no preço. O câmbio é prejudicado por seu papel como moeda de financiamento e hedge durante períodos de força do dólar, bem como pelo agravamento da situação de pandemia no Brasil".

O Comitê de Política Monetária conclui nessa quarta sua reunião e anuncia decisão sobre os juros pouco depois das 18h. A expectativa predominante é de um corte de 0,75 ponto, o que levaria a Selic a patamar recorde de 2,25% ao ano. O Brasil se aproxima da marca de 1 milhão de casos registrados de Covid-19, enquanto muitas cidades e estados têm afrouxado restrições sociais contra a pandemia. O risco de persistência da crise de saúde, na visão de analistas, pode tornar a esperada recuperação econômica mais lenta, prejudicando a atratividade do Brasil como destino para investimentos. No exterior, o índice do dólar contra uma cesta de moedas apreciava 0,1% no fim da tarde, com queda de divisas emergentes, após o chair do banco central dos EUA, Jerome Powell, voltar a citar pontos de cautela sobre a retomada da economia norte-americana.

Aumento de novos casos de Covid-19 nos EUA e na China e tensões geopolíticas na Ásia alimentaram ao longo do dia demanda por ativos considerados seguros, como o dólar e os títulos do Tesouro norte-americano. O dólar spot subiu 0,5%, a R$ 5,261 na venda. Em seis sessões, saltou 8,3%. Na B3, o dólar futuro avançava 0,1%, a R$ 5,2570, às 17h12.

*Com Agência Reuters

Veja mais notícias sobre CoronavírusEconomiaMercado de Capitais.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Quarta, 26 Janeiro 2022

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://amanha.com.br/