Dólar bate novo recorde e fecha acima de R$ 5,70

Revisão de agência de risco também afetou o mercado
A moeda norte-americana acumula alta de 42,1% neste ano

Em mais um dia de nervosismo no mercado financeiro, o dólar comercial superou a barreira de R$ 5,70 e bateu recorde. A moeda encerrou esta quarta-feira (6) vendida a R$ 5,704, com alta de 2%. Esse é o maior valor nominal (sem considerar a inflação) desde a criação do real.O dólar operou em alta durante toda a sessão até fechar próxima da máxima do dia. A divisa acumula alta de 42,1% em 2020.

O Banco Central (BC) interferiu pouco no mercado. A autoridade monetária apenas rolou (renovou) cerca de US$ 500 milhões de contratos antigos de swap cambial – venda de dólares no mercado futuro – que vencerão em junho e comprou títulos da dívida pública externa brasileira com o compromisso de devolvê-los daqui a alguns meses.

Os investidores passaram o dia na expectativa da reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central, que reduziu a Selic (taxa básica de juros) para 3%. A decisão só saiu depois do fechamento dos negócios. Juros mais baixos tornam menos atrativos os investimentos em países emergentes, como o Brasil, estimulando a retirada de capitais por estrangeiros. A revisão para baixo da perspectiva da nota do Brasil pela agência de classificação de risco Fitch, divulgada na terça-feira (5) à noite, também provocou turbulências no mercado. As tensões políticas internas também interferiram nas negociações.

Bolsa de valores
O dia foi marcado por perdas no mercado de ações. O índice Ibovespa, da B3 (bolsa de valores brasileira), fechou esta quarta aos 79.064 pontos, com queda de 0,5%. No início da sessão, o indicador caiu quase 1%, mas o ritmo de queda diminuiu ao longo do dia. O Ibovespa foi afetado pelo mercado externo. Influenciado pela divulgação de que o setor privado nos Estados Unidos demitiu 20,3 milhões de trabalhadores em abril, o índice Dow Jones, da Bolsa de Nova York, encerrou o dia com perda de 0,9%.

Há várias semanas, mercados financeiros em todo o planeta atravessam um período de nervosismo por causa da recessão global provocada pelo agravamento da pandemia do novo coronavírus. As interrupções na atividade econômica associadas à restrição de atividades sociais travam a produção e o consumo, provocando instabilidades. No entanto, o relaxamento de restrições em vários países da Europa e regiões dos Estados Unidos, após a superação do pico da pandemia, tem amenizado o impacto sobre os mercados.

Petróleo
Os preços internacionais do petróleo, que subiram nos últimos dias, recuaram levemente hoje. O barril do tipo Brent, que serve de referencial para o mercado internacional e para a Petrobras, era vendido a US$ 29,91 por volta das 19h, com queda de 3,4%. A retração nas cotações do petróleo e as tensões econômicas refletiram-se nas ações da Petrobras, as mais negociadas na bolsa. Os papéis ordinários (com direito a voto em assembleia de acionistas) desvalorizaram-se 3,9% nesta quarta. Os papéis preferenciais (com prioridade na distribuição de dividendos) tiveram perda de 3,6%.

A guerra de preços de petróleo começou há dois meses, quando Arábia Saudita e Rússia aumentaram a produção, mesmo com os preços em queda. Segundo a Petrobras, a extração do petróleo só é viável no longo prazo para cotações a partir de US$ 45. No curto prazo, a companhia pode extrair petróleo a US$ 19, no limite dos custos da empresa.

Veja mais notícias sobre Mercado de CapitaisEconomiaCoronavírus.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Quarta, 26 Janeiro 2022

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://amanha.com.br/