Custo do transporte da indústria de Santa Catarina aumenta 75%

Alta foi ocasionada, principalmente, pela precariedade da malha rodoviária
Rodovias representam 69% da matriz de transporte catarinense

O custo do transporte da indústria catarinense passou de R$ 0,04 por real faturado em 2017 para R$ 0,07 por real faturado em 2022, revela estudo realizado pela Federação das Indústrias (Fiesc) e pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). "Houve uma elevação de 75% no custo de transporte, ocasionado, principalmente, pela precariedade da malha rodoviária catarinense", afirma o presidente da Fiesc, Mario Cezar de Aguiar. Essa é a terceira edição do estudo que avaliou 13 setores da indústria catarinense. A análise mostra ainda que o custo logístico total da indústria catarinense, considerando os componentes transporte, estoque e armazenagem, passou de R$ 0,14 por real faturado em 2017 para R$ 0,11 por real faturado na pesquisa atual.

O aumento da eficiência da indústria no gerenciamento de estoques explica a redução global do custo, o que levou a uma queda de 75% neste quesito, que passou de R$ 0,08 em 2017 para R$ 0,02 em 2022. Já a armazenagem passou de R$ 0,01 em 2017 para R$ 0,02 em 2022. "A indústria vem fazendo o dever de casa e investindo na melhoria interna da gestão de estoques. Contudo, a parcela que mais pesa na composição total dos custos logísticos é o transporte, que representa 63,6% do total", afirma Aguiar. O presidente da entidade ressalta que o estudo reforça a realidade demonstrada ao longo dos anos pela entidade sobre a precariedade da infraestrutura, principalmente das rodovias, que representam 69% da matriz de transporte catarinense.

"É necessário um movimento em prol de recursos e na busca por uma gestão eficiente para dar andamento às obras de duplicação e de restauração e recuperação da malha rodoviária catarinense", propõe. A pesquisa indica, ainda, que a redução de 1 centavo no custo logístico catarinense representaria uma economia de cerca de R$ 4 bilhões por ano, considerando o PIB do estado, estimado em R$ 400 bilhões (dados de 2021). A Fiesc defende que seja priorizada a destinação de emendas dos parlamentares federais catarinenses, a partir de 2024, para conclusão das obras das BRs 470, 280, 163 e 285.

Veja mais notícias sobre InfraestruturaIndústriaSanta Catarina.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Sábado, 13 Abril 2024

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://amanha.com.br/