Aeroporto Salgado Filho poderá reabrir em dezembro

Fraport espera ter o local disponível até o final do ano, se os impactos forem menores do que os previstos inicialmente
Estima-se que no início de julho seja possível detalhar as necessidades de intervenções na pista

Em reunião nesta segunda-feira (3) no aeroporto de Porto Alegre, que contou com a presença de Paulo Pimenta, ministro da secretaria extraordinária da Presidência da República para apoio à reconstrução do Rio Grande do Sul, Tiago Pereira, presidente da Anac, Tomé Franca, secretário nacional da aviação civil, Frederico Antunes, deputado estadual e presidente da frente parlamentar da aviação, Pedro Capeluppi, secretário da reconstrução gaúcha e de executivos da Fraport Brasil, foram apresentados os detalhes sobre a situação do aeroporto e os próximos passos para a reconstrução. Andreea Pal, CEO da Fraport Brasil, avalia a vistoria como positiva para os próximos passos "Estamos atuando junto ao governo federal para acelerarmos a retomada do aeroporto. Estamos fazendo a nossa parte com diversas atividades já iniciadas. Se os impactos forem menores do que os previstos inicialmente, vamos torcer para que o aeroporto esteja disponível para o final do ano", previu.

Com a diminuição da água acumulada, foi iniciado o processo de limpeza da pista de pousos e decolagens. A limpeza consiste em uma ampla varredura em toda a extensão das pistas e pátios de aeronaves para a retirada de entulhos e detritos. Em paralelo, foram iniciados os testes e sondagens para avaliação da resistência do solo, desde a compactação até a pavimentação, para que tecnicamente seja possível afirmar os impactos causados pelo acúmulo de água durante as últimas semanas. Esse período de testes tem previsão de durar aproximadamente 45 dias, dependendo das condições climáticas. Estima-se que no início de julho seja possível detalhar as necessidades de intervenções na pista. Em relação aos equipamentos afetados com a enchente, ainda não é possível detalhar o valor total dos danos e quais equipamentos precisarão ser substituídos ou reparados. Desde que as águas começaram a baixar, a Fraport Brasil está em contato permanente com as seguradoras para avaliação do cenário, recebendo vistorias recorrentes e realizando o inventário de todos os itens que foram impactados. Ainda, na reunião com as autoridades, a concessionária reforçou o compromisso para a retomada do aeroporto, bem como manifestou sua atuação desde o início da crise climática, zelando pelo aeroporto e sua infraestrutura, bem como facilitando o acesso de equipamentos, bombas e efetivos, para acelerar a retirada de água do aeroporto e de seu entorno.

O governador Eduardo Leite, reunido com a bancada federal gaúcha nesta segunda-feira para tratar de demandas que devem ser apresentadas ao governo federal a fim de reduzir os impactos sociais da catástrofe de maio, também tratou da situação do terminal. O Rio Grande do Sul vai solicitar a sinalização, pela União, do compromisso com o reequilíbrio econômico-financeiro do contrato de concessão, proporcionando a segurança necessária para que a companhia Fraport faça os investimentos necessários para a sua reconstrução. "Quanto mais tempo o aeroporto levar para se restabelecer, mais o Rio Grande do Sul estará perdendo. O aeroporto de Porto Alegre tinha 90 voos diários, uma média que não pode ser alcançada nas bases aéreas que estão sendo acionadas. Essa situação precisa ser resolvida o mais rápido possível", ressaltou Leite.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Domingo, 21 Julho 2024

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://amanha.com.br/