Plaenge projeta R$ 3,2 bilhões em vendas líquidas neste ano

Construtora paranaense está investindo em empreendimentos de médio e alto padrão no Brasil e no Chile
A estratégia de crescimento que está fortemente alinhada a uma maior abertura do mercado no segmento de alto padrão, principal aposta da construtora, afirma o diretor Fernando Fabian

A incorporadora paranaense Plaenge tem objetivos arrojados para este ano. Já colocou em prática o plano de expansão no Brasil e no Chile: até o final do ano serão lançados 28 projetos nos dois países, com vendas entre R$ 2,9 bilhões e R$ 3,2 bilhões. No ano passado, a Plaenge lançou 20 projetos, alcançando R$ 2,9 bilhões em VGV (Valor Geral de Vendas). Já as vendas líquidas do ano passado somaram R$ 2,7 bilhões, um crescimento de 40% em relação a 2022. Neste ano, a construtora soma 79 empreendimentos em fase de obra no Brasil e no Chile. A estratégia de crescimento que está fortemente alinhada a uma maior abertura do mercado no segmento de alto padrão, principal aposta da construtora, afirma o diretor Fernando Fabian. "São empreendimentos construídos com padrão de qualidade e tecnologia, respeitam o ambiente e têm foco na sustentabilidade." Este é o terceiro ano que a construtora ocupa a segunda posição de maior operação de imóveis de médio ou alto padrão no Brasil. Já entre as empresas de capital fechado, a Plaenge é líder absoluta nesse tipo de operação.

A Plaenge tem cinco grandes entregas em Curitiba agendadas para este ano. A primeira será o Experience, no Ecoville, em março; o Fifty Cabral, com entrega marcada para agosto; o Rodin, no bairro Ahú, que será entregue em setembro; o Vitra Água Verde, com entrega em outubro; e o Signature Plaenge, no Ecoville, com entrega marcada para novembro. "Nossa prioridade é focar em projetos para um público de média e alta renda e temos tido uma ótima receptividade. Nosso reconhecimento é resultado do excelente trabalho do nosso time, da qualidade das entregas e da tecnologia envolvida em todos os processos", defende o gerente regional da Plaenge, Daniel Turchetti. Para continuar nesse ritmo de crescimento, a Plaenge quer manter os investimentos nas cidades em que já possui operação, como a capital paranaense. 

A construtora, porém, passará a investir em condomínios fechados. Um deles deve ser lançado este ano em Campo Grande (MS) e, para 2025, já estão previstos dois em Curitiba e Ponta Grossa, no Paraná. A aposta aproveita o banco de terrenos da carteira da construtora. Atualmente a Plaenge tem um land bank de 124 terrenos nas cidades em que atua e soma R$ 17,8 bilhões de VGV. A Plaenge é a 99ª maior empresa da região e também a 38ª maior do Paraná, de acordo com o ranking 500 MAIORES DO SUL, publicado pelo Grupo AMANHÃ com o apoio técnico da PwC Brasil.

Veja mais notícias sobre EmpresaNegócios do SulParaná.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Sexta, 14 Junho 2024

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://amanha.com.br/