Vendas no varejo crescem 2,5% em janeiro

Setor opera 5,7% acima do patamar pré-pandemia
O aumento de vendas no setor de tecidos, vestuário e calçados impulsionou o varejo no primeiro mês do ano

Na passagem de dezembro para janeiro, as vendas no comércio varejista no país aumentaram 2,5%. É a primeira alta estatisticamente significativa desde setembro do ano passado, quando o crescimento foi de 0,8%. Depois disso, o comércio passou por dois meses de estabilidade (-0,3% em outubro e 0,2% em novembro) e um de queda (-1,4% em dezembro). Com isso, em janeiro, o setor operava 5,7% acima do patamar pré-pandemia, registrado em fevereiro de 2020, e 0,8% abaixo de seu nível recorde, alcançado em outubro de 2020. Os dados são da Pesquisa Mensal de Comércio (PMC), divulgada pelo IBGE. "O comércio varejista veio de dois meses mais fracos, em que os resultados foram bastante abaixo do que poderíamos ter visto. Esse é um comportamento que foi observado não só em 2024, mas também em outros anos, quando, por exemplo, houve queda nas vendas no fim de 2022 e uma recuperação em janeiro", lembra o gerente da pesquisa, Cristiano Santos. Cinco das oito atividades investigadas na pesquisa avançaram em janeiro deste ano. Dentre elas, os destaques foram as de tecidos, vestuário e calçados (8,5%) e de equipamentos e materiais para escritório, informática e comunicação (6,1%), que exerceram as principais influências sobre o resultado total do comércio varejista.

"Setorialmente, os resultados vieram com muita amplitude de crescimento em setores que tiveram queda grande no Natal, depois de concentrar as vendas na Black Friday. Isso aconteceu em tecidos, vestuário e calçados, móveis e eletrodomésticos (3,6%), equipamentos e materiais para escritório, informática e comunicação e outros artigos de uso pessoal e doméstico (5,2%), que, juntos, puxaram o crescimento do varejo em janeiro", destaca o pesquisador. Uma das mais prejudicadas durante a pandemia de Covid-19, a atividade de tecidos, vestuário e calçados registrou queda de 6,9% em dezembro. "Esse setor ainda está longe de se recuperar das perdas da pandemia. Entre as atividades pesquisadas, é a segunda que está mais distante do patamar de fevereiro de 2020, perdendo, nesse sentido, apenas para o segmento de livros, jornais, revistas e papelaria, que está 46,7% abaixo desse nível", pontua Santos. Com o resultado de janeiro, o setor de tecidos se encontrava 19,3% abaixo do nível pré-pandemia. No ano passado, foram sete meses no campo negativo.

Ele observa que um dos fatores que atingiram o setor de tecidos foi a crise contábil de grandes cadeias de lojas. "No final de 2022 e ao longo do ano seguinte, algumas empresas revisitaram seus balanços e tiveram de fechar lojas físicas, o que acabou deixando o patamar bem abaixo", explica o gerente da pesquisa. Além desse setor, ele destaca, entre os mais afetados pela crise, o de outros artigos de uso pessoal e doméstico, que abarca lojas de departamento, e o de móveis e eletrodomésticos. Outro setor em alta em janeiro foi o de hiper, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (0,9%). O segmento, que é o de maior peso na pesquisa (55,5%), está no terceiro mês seguido no campo positivo. "Há uma influência do componente inflacionário e também do maior consumo das famílias, especialmente de alimentos e bebidas", ressalta. Em janeiro, o setor estava 9,9% acima do patamar pré-pandemia. Ele completa que a característica observada no segmento de hiper e supermercados difere de outras atividades, que são mais relacionadas às promoções. "Nesses outros setores, o consumo foi mais concentrado em novembro, que é o mês da Black Friday. Então muitas pessoas antecipam as compras de Natal por conta dos preços. E em janeiro há outra onda de promoções, com as queimas de estoque", analisa.

Veja mais notícias sobre EconomiaBrasil.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Sábado, 25 Mai 2024

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://amanha.com.br/