Produção industrial paranaense avança 1,5% em 2023

Indústrias de Santa Catarina e do Rio Grande do Sul fecharam o período no vermelho
A produção de derivados de petróleo e biocombustíveis teve a maior alta registrada no Paraná entre janeiro e dezembro

A produção da indústria nacional teve alta de 1,1% na passagem de novembro para dezembro, com expansão em dez dos 15 locais pesquisados. Com o resultado do último mês do ano, 2023 termina com variação de 0,2% em relação a 2022, apresentando taxas positivas em dez dos 18 locais analisados. Os dados são da Pesquisa Industrial Mensal (PIM) Regional, divulgada pelo IBGE. As maiores altas do ano foram os resultados de Rio Grande do Norte (13,4%) e Espírito Santo (11,1%), que aconteceram, principalmente, devido às atividades de coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis e produtos alimentícios.

Já o Rio de Janeiro exerceu a principal influência no acumulado do ano, mostrando um crescimento de 4,5%. "Esse resultado pode ser explicado pelo desempenho do setor extrativo e de derivados do petróleo, dois segmentos bastante atuantes na indústria fluminense", explica o analista da pesquisa, Bernardo Almeida. Goiás (6,1%), Pará (5,4%), Mato Grosso (5,2%), Minas Gerais (3,4%), Amazonas (2,1%), Pernambuco (1,9%) e Paraná (1,5%) também registraram crescimento na produção no índice acumulado no ano passado. Quatro setores industriais puxaram o índice paranaense para cima em 2023. A produção de derivados de petróleo e biocombustíveis teve a maior alta registrada no estado entre janeiro e dezembro, com crescimento de 17,1% no período. Na sequência estão a fabricação de produtos alimentícios, que cresceu 6,7%, a produção de bebidas, com alta de 5,1%, e a produção moveleira, que registrou aumento de 2,2% no ano no Paraná. Nestes quatro setores, o Paraná também apresentou aumento superior à média nacional. Em todo o Brasil, a indústria de derivados de petróleo e biocombustíveis cresceu 6,1%, a indústria alimentícia subiu 3,7% e a fabricação de bebidas registrou alta de 0,9%. A produção de móveis, em todo o país, caiu 1,3%.

Por outro lado, Ceará (-4,9%), Maranhão (-4,8%) e Rio Grande do Sul (-4,7%) registraram as quedas mais expressivas no índice acumulado no ano. Isso ocorreu na indústria gaúcha, principalmente, em função dos recuos assinalados nos setores de coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis, máquinas e equipamentos e produtos alimentícios. Região Nordeste (-3,5%), Bahia (-1,8%), São Paulo (-1,5%), Santa Catarina (-1,3%) e Mato Grosso do Sul (-0,7%) tiveram as demais taxas negativas no indicador acumulado do período janeiro-dezembro de 2023. "São Paulo foi responsável pela maior influência negativa no resultado nacional. A indústria paulista teve comportamento semelhante ao da indústria nacional, também sendo afetada por taxas de juros elevadas e oferta reduzida de crédito", acrescenta o pesquisador.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Terça, 16 Julho 2024

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://amanha.com.br/