Confiança recua na maioria dos setores da indústria em novembro

A percepção sobre as condições atuais da economia está negativa
ICEI foi heterogêneo entre os setores, o que reflete que as características setoriais estão afetando de forma diferente a confiança

O Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI) recuou em 24 dos 30 setores analisados pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) na passagem de outubro para novembro deste ano. Apesar da queda, apenas um setor cruzou a linha de 50 pontos, todos os demais permanecem confiantes. Dados acima dessa faixa representam confiança e abaixo, falta de confiança. Em novembro, o ICEI de Produtos de limpeza, perfumaria e higiene pessoal ficou em 49,5 pontos. Ao todo, foram entrevistadas 2.340 empresas entre 3 e 12 de novembro.

A economista da CNI Larissa Nocko explica que o resultado do ICEI foi heterogêneo entre os setores, o que reflete que as características setoriais estão afetando de forma diferente a confiança. O ICEI é resultado da média entre a percepção das condições atuais e das expectativas futuras. Veja os setores mais e menos confiantes nas tabelas ao final desta reportagem.

"Todos os componentes do ICEI caíram. Quando perguntados sobre a percepção das condições atuais da economia, apenas dois setores a avaliaram positivamente: outros equipamentos de transporte e produtos de madeira. O que mantém o indicador da maior parte dos setores acima de 50 pontos, ou seja, em um cenário de confiança, são as expectativas positivas para os próximos seis meses, ainda que menos otimistas do que no mês anterior", explica Larissa.

As maiores quedas de confiança ocorreram nos setores: móveis (-4,6 pontos), equipamentos de informática, produtos eletrônicos e outros (-4,0 pontos) e metalurgia (-3,6 pontos). a confiança avançou principalmente nos setores: outros equipamentos de transporte (+3,3 pontos), produtos farmoquímicos e farmacêuticos (+2,9 pontos) e obras de infraestrutura (+2,0 pontos).

Entre novembro de 2020 e novembro de 2021, a confiança subiu em apenas três dos 30 setores pesquisados: Obras de Infraestrutura, produtos farmoquímicos e farmacêuticos e impressão e reprodução de gravações. Nos demais caiu e em alguns despencou.

Como, por exemplo, Produtos de borracha. O indicador passou de 68,2 pontos para 54. O ICEI do setor de Bebidas, que há um ano era de 62,6 pontos, o que indicava uma confiança alta e disseminada, está em 50,2 pontos, muito próximo da linha de corte para a falta de confiança. Vale dizer que, apesar da queda, o ICEI está acima de 50 pontos nesses setores, o que indica confiança.

Outras quedas expressivas são: produtos têxteis (-11,1 pontos), produtos de limpeza, perfumaria e higiene pessoal (-10,1 pontos), equipamentos de informática, produtos eletrônicos e outros (-9,7 pontos), máquinas e equipamentos (8,8 pontos) e máquinas, aparelhos e materiais elétricos (-8,6 pontos).

Quer saber mais sobre indústria?
Receba diariamente a newsletter do Grupo AMANHÃ. Faça seu cadastro aqui e, ainda, acesse o acervo de publicações do Grupo AMANHÃ.

Veja mais notícias sobre BrasilEconomiaIndústria.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Segunda, 23 Mai 2022

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://amanha.com.br/