Confiança do industrial tem forte queda no Rio Grande do Sul

Com estado afetado pelas inundações, ICEI-RS desaba para o menor nível desde junho de 2020
Pela pesquisa, a deterioração na situação atual dos negócios foi generalizada, mas foram nas perspectivas dos empresários para os próximos seis meses que a tragédia climática mostrou as maiores consequências

A devastação provocada pelas chuvas impactou no Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI-RS) de maio, divulgado nesta quarta-feira (22) pela Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Sul (Fiergs). Foi a maior queda desde novembro de 2022 e o menor nível desde junho de 2020: 44,4 pontos, 6,1 a menos do que em abril (50,5). A pesquisa foi realizada com 161 empresas, sendo 33 pequenas, 60 médias e 68 grandes, entre 2 e 16 de maio, justamente durante o período das fortes enchentes no estado. "Com centenas de cidades atingidas, muitas empresas debaixo d'água, funcionários sem residência, as expectativas dos empresários estão abaladas. Convém lembrar que 94% da atividade econômica foi afetada de alguma forma, seja por inundações, deslizamentos de encostas, problemas logísticos, com os colaboradores ou fornecedores, em localidades onde estão instaladas 96% das indústrias gaúchas", relata Gilberto Petry, presidente da entidade.

O ICEI-RS varia de zero a cem pontos, e abaixo dos 50 indica falta de confiança. Desde 2005, em 191 edições do ICEI-RS, essa foi a sétima redução mensal mais intensa. A pesquisa é composta por dois índices: o de condições atuais, formado pela percepção dos empresários sobre a economia brasileira e sobre a própria empresa em relação aos últimos seis meses, e o índice de expectativas, para o semestre seguinte. Dado o âmbito regional da tragédia, os componentes que avaliam as empresas – condições atuais e, sobretudo expectativas – foram os mais atingidos, embora os relacionados à economia brasileira também tenham se deteriorado.

O índice de condições atuais recuou de 45,2 pontos, em abril, para 41,9, em maio. Abaixo de 50, revela piora e a queda demonstra que a percepção negativa se disseminou entre as empresas. O índice de condições da economia brasileira, que recuou de 39,4 para 38,5 pontos no período, registrou o menor patamar entre todos os índices de confiança. Reflete a grande diferença entre o percentual de empresários que perceberam piora (42,2%) e melhora (3,1%). As condições das empresas também se agravaram. Baixou quase cinco pontos, de 48,1, em abril, para 43,6, em maio. Já o índice de condições da economia gaúcha, que não é computado no índice agregado e, normalmente, pouco difere do análogo nacional, mostrou contração bem maior, de 6,3 pontos, e um nível bem menor, de apenas 34,1, em maio. Mais da metade dos empresários (51,6%) percebem piora nas condições da economia regional em maio, ante 1,9% que vê melhora.

Pela pesquisa, a deterioração na situação atual dos negócios foi generalizada, mas foram nas perspectivas dos empresários para os próximos seis meses que a tragédia climática mostrou as maiores consequências. O índice de expectativas recuou 7,5 pontos, de 53,2, em abril, para 45,7, em maio, saindo da região de otimismo para o terreno pessimista. Sentimento que, em maio de 2024, é menor somente que o de maio de 2020 e os dos patamares mais baixos da longa crise econômica de 2015/2016.

Veja mais notícias sobre BrasilEconomiaRio Grande do Sul.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Sexta, 14 Junho 2024

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://amanha.com.br/