Sidebar Menu

Atividade industrial teve desempenho menos negativo em maio

Sondagem da CNI revela que a indústria começa a se afastar do pior momento da crise provocada pelo novo coronavírus
A produção sofreu nova queda em maio na comparação com abril, ainda sob os efeitos da Covid-19

O desempenho da indústria foi menos negativo em maio do que em abril deste ano. A Sondagem Industrial, da Confederação Nacional da Indústria (CNI), revela que os índices que medem o desempenho da indústria começam a se distanciar dos piores momentos da crise provocada pelo novo coronavírus, embora a atividade industrial ainda continue em queda. A pesquisa foi realizada entre 1º e 10 de junho, com 1.859 empresas, sendo 724 pequenas, 663 médias e 472 grandes, e mostra que o pessimismo se reduziu de forma significativa neste mês, e aparece de forma menos intensa e disseminada que nos meses de abril e maio deste ano.

A produção e o emprego sofreram novas quedas no mês de maio na comparação com o mês anterior, ainda sob os efeitos da pandemia de Covid-19. Mas a queda é menor. O índice de evolução da produção subiu de 26 pontos em abril deste ano para 43,1 pontos em maio. O fato de estar abaixo de 50 pontos indica queda e quanto mais próximo de 50, menor e menos disseminada é a queda. Nessa metodologia, o índice varia de 0 a 100. Só há crescimento quando os dados aparecem acima de 50.

A capacidade instalada cresceu seis pontos percentuais entre os meses de abril e maio, alcançando 55%. Apesar do aumento, o percentual é o segundo menor para toda a série histórica, iniciada em 2011, e se encontra 12 pontos percentuais abaixo do nível registrado no mesmo período de 2019. O índice de evolução dos estoques ficou em 46,2 pontos, apontando para uma significativa redução dos estoques. A pesquisa mostra que os empresários seguem projetando queda de demanda, exportações, compras de matérias-primas e número de empregados nos próximos seis meses. Mas o sentimento de forte pessimismo, observado nos dois meses anteriores, diminuiu tanto quanto à sua

Extremos
Os setores de biocombustíveis, produtos de limpeza, perfumaria e higiene pessoal, e produtos farmoquímicos e farmacêuticos apresentaram aumento de produção em maio. Também são áreas que apresentaram evolução do número de empregados menos negativa que a dos demais e Utilização da Capacidade Instalada (UCI) efetiva mais próxima ao usual. No outro extremo os segmentos de impressão e reprodução de gravações, couros e artefatos de couro, calçados e suas partes, e vestuário e acessórios seguem com o pior desempenho, com quedas mais acentuadas da produção e do número de empregados, além de UCI efetiva muito distante do usual.

Veja mais notícias sobre BrasilCoronavírusEconomiaIndústria.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Quarta, 15 Julho 2020

Imagem do Captcha


Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://amanha.com.br/

No Internet Connection