Covid-19: trabalho remoto pode, sim, ser eficiente

Comunicação é vital para que uma empresa continue funcionando

O coronavírus tem transformado as relações de trabalho no Brasil e no mundo, em maior ou menor proporção, dependendo de cada modelo de negócio. Uma das soluções encontradas pelas empresas no país, e também em todo o mundo, é o home office. De acordo com a Workana – maior plataforma que conecta freelancers a empresas da América Latina e que adota o home office em sua operação –, o primeiro passo para implementar a iniciativa é definir um comitê de continuidade. O grupo será responsável por projetar e ativar protocolos de execução de tarefas, garantindo que a rotina de trabalho seja mantida. Idealmente.

Ele deve ser formado por um especialista nos processos da empresa, alguém familiarizado com o escopo técnico, e também por um profissional com conhecimento de pessoas e linhas de comando. em grandes empresas, os profissionais adequados são do setor de TI e recursos humanos. "No caso de companhias menores, é provável que uma pessoa ocupe todas essas responsabilidades, devendo, portanto, delegar outras tarefas", explica Daniel Schwebel, country manager da Workana no Brasil.

A empresa deve garantir que todos os funcionários tenham acesso às ferramentas necessárias, como computadores, conexão à internet, impressora, configuração ou software especial para conectar-se remotamente. "Escolha soluções de comunicação on-line, use as ferramentas normais que sua equipe usa para se comunicar, como grupos do WhatsApp, mas implemente e promova o uso de plataformas como o Microsoft Teams (que foi lançado para uso gratuito durante esse período) ou o Slack, que permite que você tenha a comunicação da equipe em um só lugar, e separada da comunicação pessoal. Sua equipe pode ter bate-papo, videochamadas, documentos compartilhados, tudo integrado, para acelerar a operação", sugere Schwebel.

Linhas claras de comunicação também são vitais. Schwebel aconselha formular as instruções de maneira simples e direta e listar as expectativas advindas de cada atividade. No entanto, um processo simples não exclui cronogramas rígidos e diretrizes extensas, para assim, solucionar as dúvidas da equipe e permitir que se habitue às novas ferramentas. "É crucial marcar o que você está esperando em entregas e atividades executadas, bem como conhecer as dificuldades que cada pessoa está enfrentando e propor alternativas", lembra o executivo.

*Com reportagem e edição de Valentina Gindri

Veja mais notícias sobre Recursos Humanos.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Sexta, 12 Agosto 2022

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://amanha.com.br/