Meta e Ayga investem R$ 25 milhões em nova empresa com foco na redução do desperdício de água

Flowen oferece solução para gestão e o monitoramento inteligente das redes de abastecimento
Testes foram realizados em 250 pontos em parceria com a Corsan

Tecnologia nacional a serviço da preservação dos recursos hídricos e do combate ao desperdício de água. Este é o propósito da Flowen, nova empresa fundada pelas brasileiras Meta, de tecnologia e inovação com foco em transformação digital, e Ayga, especializada em gestão remota de ativos. A Ayga tem sede dentro da Tecnosinos, em São Leopoldo (RS). A Meta atua hoje em um formato diferente, com quatros unidades no Brasil (São Leopoldo, Porto Alegre, Curitiba e São Paulo) e uma em Waterloo, no Canadá. Com investimento de R$ 25 milhões, as soluções ofertadas apostam na aplicação de tecnologias como internet das coisas (IoT) e big data para a gestão e o monitoramento eficiente do curso das águas. Inovando no mercado de medição inteligente (smart meters), a Flowen lança medidor de água ultrassônico (IoTA) que verifica com precisão o consumo e permite a gestão remota de operações, como a ligação e o corte remoto de água. O produto é destinado não apenas a concessionárias públicas, privadas e distribuidoras, mas também a empreendimentos e parques industriais de todos os tamanhos.

Entre as vantagens da solução, estão o fim da medição manual e da necessidade de acesso presencial de profissionais e técnicos aos medidores, além da transparência quanto aos gastos individuais de cada empreendimento ou consumidor. Integrado a uma plataforma de análise de dados, o dispositivo traz indicadores detalhados sobre o consumo hora a hora, a necessidade de manutenção, o indício de vazamentos ou de falta de água, a previsão de consumo, entre tantas outras informações de monitoramento de toda a rede operacional. "A Flowen é uma solução que integra infraestrutura, plataforma e dados gerando resultados positivos para a sociedade não apenas na economia relevante de água, mas em toda a cadeia de consumo dos recursos. Há ganhos de segurança e transparência na gestão da mediação dos consumidores, com uma base ampla de dados e indicadores que ampliam a eficiência do serviço prestado, reduzem custos e asseguram a tomada afirmativa de decisões", assegura Claudio Carrara, vice-presidente da Meta, empresa que atua na base tecnológica de integração dos sistemas e plataformas.

A consultoria Bluefield Research estima que o mercado de água inteligente nos Estados Unidos deve movimentar até US$ 20 bilhões em despesas operacionais e de capital até 2025. No cenário brasileiro, o Plano Nacional de Saneamento Básico (Plansab) projeta que até 2033 serão necessários investimento de R$ 142 bilhões em água e R$ 215 bilhões em esgoto para cumprir as diretrizes definidas pelo Novo Marco Regulatório do Saneamento (Lei Federal 14.026) que determina a universalização com metas de atendimento de 99% da população com água potável até 2033. "A tecnologia é uma importante aliada para o desenvolvimento sustentável. A utilização de smart meters já avançou muito nos segmentos elétrico e de gás. O panorama futuro – com previsão de escassez, aumento da população, mudanças climáticas, entre tantos outros fatores – deve impulsionar também os investimentos no setor hídrico. Nossa expectativa é implementar 500 mil medidores no país, até 2025", complementa Luiz Francisco Gerbase, CEO da Ayga, responsável pelo desenvolvimento do medidor inteligente.

Os dados quanto ao cenário da gestão da água no país são alarmantes. Pesquisa publicada pelo Instituto Trata Brasil no segundo semestre do ano passado aponta que 40% da água tratada nos reservatórios nacionais é perdida antes de chegar aos brasileiros. Segundo o estudo, a quantidade perdida nos sistemas de distribuição poderia abastecer 66 milhões de brasileiros, valor mais do que suficiente para suprir a necessidade das quase 35 milhões de pessoas que, até hoje, não possuem acesso à água em casa nem para lavar as mãos. A Flowen contou com um parceiro de peso no desenvolvimento técnico das soluções, no teste e na validação da tecnologia pioneira. A Companhia Riograndense de Saneamento (Corsan) acompanha a iniciativa desde 2020 e já utiliza em caráter experimental mais de 250 medidores de alta precisão para o monitoramento eficiente da operação.

O processo de testagem incluiu a implementação do equipamento associado à plataforma de inteligência de dados em diferentes condições climáticas e geográficas, em ambientes de calor extremo e de frio, como no litoral e na serra, para a garantia da eficiência, da confiabilidade e da precisão das soluções de leitura e medição do curso da água. "Estamos muito confiantes de que este projeto representa um salto significativo na eficiência da nossa operação e nos esforços de preservação sustentável dos recursos. É um importante diferencial usarmos uma tecnologia de duas brasileiras reconhecidas pelo mercado, como a Meta e a Ayga, o que permite o uso dos fundos de financiamento e crédito associados ao BNDES e outros bancos para a compra de equipamentos fabricados aqui. Além disso, é um contraponto a produtos chineses que não se adequam à realidade do Brasil, não permitem integração com outros sistemas e são de difícil manutenção", destaca Jean Bordin, diretor comercial, de inovação e relacionamento da Corsan.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Sexta, 23 Fevereiro 2024

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://amanha.com.br/