Sidebar Menu

Amitié anuncia projeto de vinícola própria no Sul

Empreendimento deverá ser inaugurado em novembro
Em 2021 o objetivo da grife idealizada por Juciane e Andreia é vender 300 mil garrafas de vinhos e espumantes

Lançada em 2018 pela sommelière Andreia Gentilini Milan (à direita) e a enóloga Juciane Casagrande Doro (à esquerda), a Amitié – "amizade" em francês – reúne números expressivos. A marca vendeu 120 mil garrafas de espumantes e vinhos no ano passado, um salto considerável em relação a 2019, quando foram comercializadas 58 mil unidades. Este ano, o objetivo é vender 300 mil garrafas.

Ponto central da estratégia para ampliar as vendas e a presença da marca em mais mercados no Brasil acaba de ser anunciada: a Amitié terá sua própria vinícola no Rio Grande do Sul. Uma parte da produção, atualmente terceirizada, será realizada na nova sede da empresa no Vale dos Vinhedos, que também contará com um projeto enoturístico que contará com um local onde os consumidores poderão ter experiências com a marca. A vinícola Amitié começará a ser erguida em abril e o empreendimento deve ser inaugurado em novembro deste ano. Quem assina o projeto é a arquiteta Vanja Hertcert.

"Este é um dos passos mais importantes na trajetória da Amitié, que é recente, mas muito bem-sucedida, com presença em mais de 1 mil pontos de venda em todo o Brasil. Vamos seguir rompendo paradigmas em um segmento ainda bastante masculino, criando ações inovadoras e trazendo novos olhares sobre o consumo de vinhos, que é o que vem pautando nossa atuação", projeta Andreia. Juciane lembra que ainda é comum as sócias serem questionadas se precisam de um investidor. "Somos duas mulheres liderando uma equipe enxuta, mas com muita visão estratégica temos ampliado nossa presença em importantes mercados no Brasil. A concretização da vinícola é uma etapa importante para nós e certamente vai inspirar outras mulheres que atuam no mundo dos vinhos", avalia.

Como o Cepas & Cifras antecipou em setembro, 2021 marcará o ingresso da Amitié no segmento de vinhos de guarda. Na época, Juciane adiantou que os vinhos estavam na fase inicial de produção. "Temos alguns caldos [mostos] sendo preparados para justamente aproveitar a safra das safras. Ano que vem [2021] comercializaremos alguma coisa do que está sendo elaborado", revelou em coletiva de imprensa.

Veja mais notícias sobre Negócios do SulEmpresaRio Grande do Sul.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Quarta, 05 Mai 2021

Imagem do Captcha


Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://amanha.com.br/

No Internet Connection