Antes do vírus, número de investidores do Sul na bolsa crescia 36,5%

B3 traz estatísticas sobre investimentos de pessoas físicas no primeiro trimestre
Mais jovem, com carteiras mais diversificadas e com valores de investimento inicial mais baixos: esse é o novo investidor que vem chegando à bolsa

Em julho de 2019 a B3 alcançou 1 milhão de investidores em produtos de renda variável. No mês passado, dobrou o número de CPFs que investem na bolsa. Em abril, o total de pessoas físicas com recursos na depositária de renda variável da B3 chegou a 2 milhões. Esse crescimento representa uma mudança estrutural no mercado de capitais brasileiro e para entender quem é este novo investidor, a B3 divulgou nesta terça-feira (19) um amplo estudo que traça o perfil da pessoa física que está na bolsa.

Uma das conclusões da B3 é a predominância das regiões Sudeste, Sul e do Distrito Federal com o maior número de investidores pessoas físicas no país. Hoje, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul possuem 310 mil investidores na bolsa, número 36,5% maior do que o total de dezembro de 2019 (veja gráfico no final desta reportagem). De forma geral, o novo investidor é mais jovem, se preocupa em diversificar seus investimentos e começa a montar sua carteira com valores baixos. Além disso, tem demonstrado uma visão de longo prazo ao manter suas posições mesmo no auge da volatilidade dos mercados.

Observando a evolução do comportamento desse investidor ao longo do tempo, é possível notar que a partir de 2019 houve uma queda no valor médio investido pelas pessoas físicas, mostrando uma democratização do mercado de capitais. Em 2011, 44% das pessoas físicas tinham carteiras com até R$ 10 mil de saldo. Em março de 2020, esse percentual já havia subido 10 pontos percentuais, representando 54% do universo total de CPFs que têm recursos na B3. Outro dado que chama a atenção: dos 223 mil investidores que entraram na renda variável em março de 2020, 30% fez o primeiro investimento com menos de R$ 500. Em relação ao volume de recursos acumulados, em março de 2017, os investidores pessoas físicas tinham R$ 203 bilhões na B3 e hoje o volume chega a quase R$ 260 bilhões, um aumento de 30%.

"Há dois anos temos acompanhado a entrada constante da pessoa física na renda variável, e estamos desmistificando a história de que as pessoas precisam de muito dinheiro para investir. As pessoas físicas estão cada dia mais na renda variável e os valores investidos não são altos", afirma Felipe Paiva, diretor de Relacionamento com Clientes da B3. "Trazer a pessoa física para a bolsa, contribui para que o mercado de capitais brasileiro seja mais forte e resiliente e o trabalho conjunto que vem sendo feito pela B3 e pelos agentes de mercado indicam que estamos dando passos importantes", reforça Tarcísio Morelli, diretor de Inteligência de Mercado da B3.

Quando se trata de mudança geracional, o dado que mais chama atenção é o de jovens investindo na renda variável. A faixa etária de 25 a 39 anos teve uma evolução de 21 pontos percentuais de 2017 para cá. A faixa que antes representava 28% de todas as pessoas físicas, hoje representa 49%. "Ainda é muito cedo para concluirmos que esse movimento será contínuo, mas, de qualquer forma, traz um quadro positivo e sinais de que talvez estejamos tendo uma mudança geracional quando falamos de investimentos no Brasil", afirma Paiva.

Veja mais notícias sobre Mercado de Capitais.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Quarta, 26 Janeiro 2022

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://amanha.com.br/