Dólar sobe e fecha a R$ 5,82 com tensões no Brasil e no exterior

Mercado foi influenciado pelo aumento de casos de coronavírus em países que relaxaram as restrições sociais, como a Alemanha e a Coreia do Sul
A moeda norte-americana acumula alta de 45,1% no ano

Em meio a tensões no Brasil e no exterior, o dólar subiu e aproximou-se da cotação recorde. O dólar comercial encerrou esta segunda-feira (11) vendido a R$ 5,824, com alta de 1,4%. Esse é o segundo maior valor nominal (sem considerar a inflação) desde a criação do real, só perdendo para a última quinta-feira (7), quando a cotação tinha fechado em R$ 5,84. O euro comercial fechou a R$ 6,293, com alta de 1,2%. A libra comercial encerrou o dia vendida a R$ 7,181, com alta de 0,9%.

O dólar operou em alta durante toda a sessão. Na máxima do dia, por volta das 16h30, encostou em R$ 5,84. A divisa acumula alta de 45,1% em 2020. O Banco Central (BC) interferiu pouco no mercado. A autoridade monetária fez um leilão de contratos novos de cerca de US$ 500 milhões de swap cambial – que equivalem à venda de dólares no mercado futuro.

Nos últimos dias, os investidores têm repercutido a decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central de reduzir a Selic (taxa básica de juros) para 3% ao ano. Além de reduzir a taxa além do estimado, o BC indicou que pretende promover um novo corte de até 0,75 ponto percentual em junho, o que poderia levar a Selic para 2,25% ao ano.

Juros mais baixos tornam menos atrativos os investimentos em países emergentes, como o Brasil, estimulando a retirada de capitais estrangeiros. As tensões políticas internas também interferiram nas negociações, principalmente em torno do veto à exclusão de diversas categorias de servidores estaduais e municipais do congelamento de salários que consta da lei de ajuda aos estados e às prefeituras afetadas pela pandemia de Covid-19.

Bolsa de valores
O dia foi marcado por perdas no mercado de ações. O índice Ibovespa, da B3 (bolsa de valores brasileira), fechou esta segunda-feira aos 79.065 pontos, com queda de 1,4%. O indicador alternou momentos de alta e de baixa até por volta das 15h, mas passou a operar em queda nas horas seguintes. O Ibovespa foi afetado pelo mercado externo. Influenciado pelo aumento de casos de coronavírus em países que relaxaram as restrições sociais, como a Alemanha e a Coreia do Sul, o índice Dow Jones, da Bolsa de Nova York, encerrou o dia com perda de 0,4%.

Há várias semanas, mercados financeiros em todo o planeta atravessam um período de nervosismo por causa da recessão global provocada pelo agravamento da pandemia do novo coronavírus. As interrupções na atividade econômica associadas à restrição de atividades sociais travam a produção e o consumo, provocando instabilidades. No entanto, o relaxamento de restrições em vários países da Europa e regiões dos Estados Unidos, após a superação do pico da pandemia, tinham começado a amenizar o impacto sobre os mercados globais.

Com Agência Brasil 

Veja mais notícias sobre Mercado de CapitaisCoronavírus.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Quarta, 26 Janeiro 2022

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://amanha.com.br/