B3 perde dinamismo com rumores da saída de Mandetta

Ministro confirmou que ele e equipe permanecerão nos cargos
Ministro Luiz Henrique Mandetta confirmou que ele e equipe permanecerão nos cargos

O índice Ibovespa, da B3 (bolsa de valores brasileira), que tinha caído para abaixo dos 70 mil pontos na sexta-feira, recuperou-se nesta segunda-feira (6). O indicador fechou o dia aos 74.073 pontos, com alta de 6,5%, depois de ter encerrado a semana passada no menor nível em 10 dias. O índice seguiu as bolsas no exterior. O índice Dow Jones, da Bolsa de Nova York, encerrou o dia com forte alta de 7,7%. Os mercados globais refletiram a desaceleração de casos de coronavírus registrada em diversos países da Europa e em alguns estados norte-americanos.

No Brasil, porém, os rumores de uma possível demissão do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta (foto). A B3 perdeu dinamismo com a tensão política, pois o Ibovespa chegou a se valorizar 8% no meio da tarde. O nervosismo dos agentes de mercado é efeito da incerteza do momento com a possível queda de um ministro alinhado com a estratégia do prolongamento do isolamento social. Por volta das 20h, depois de uma reunião ministerial do presidente Jair Bolsonaro com todo o ministério, Mandetta concedeu uma entrevista coletiva. Na ocasião, ele afirmou que que permanece no cargo.

"Não tenho receio da crítica e sei que há dificuldades, ainda mais quando as críticas trazem dificuldade para o trabalho [do dia a dia]. Vamos continuar, pois temos um inimigo com nome e sobrenome: a Covid-19", declarou Mandetta. "Enquanto não tivermos previsibilidade, devem ser seguidas as orientações dos governadores. A movimentação social é tudo que esse vírus quer e, com isso, ele vai ser levado para as grandes concentrações urbanas, como também as favelas", esclareceu. "O momento é de cautela. De distanciamento social e proteção dos nossos idosos. Isso que vocês estão fazendo não é lockdown, isso não é quarentena", observou. "Não sei como será a entrega dos pedidos já feitos, ainda mais não sabendo quando a Índia voltará a entregar os materiais básicos para medicamentos que necessitaremos lá adiante", alertou.

Dólar
O dólar caiu pela primeira vez em 11 dias. A moeda norte-americana encerrou a segunda vendido a R$ 5,29, com recuo de 0,6%. A divisa operou em queda o dia inteiro. Na mínima do dia, por volta das 13h, chegou a atingir R$ 5,22, mas a cotação voltou a aproximar-se de R$ 5,30 ao longo da tarde também por causa dos rumores envolvendo o ministro Mandetta. Diferentemente dos últimos dias, o Banco Central (BC) não interveio no mercado. A autoridade monetária não vendeu dólares das reservas internacionais nem leiloou contratos novos de swap cambial, que equivalem à venda de dólares no mercado futuro. Em 2020, o dólar comercial acumula alta de 31,9%.

*Com Agência Brasil 

Veja mais notícias sobre CoronavírusMercado de Capitais.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Terça, 16 Julho 2024

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://amanha.com.br/