Ação da Copel é fixada em R$ 8,25

Processo de transformação da estatal paranaense em corporação ainda está em andamento e a liquidação só deve ocorrer na sexta-feira
Com a precificação, a Copel foi a primeira estatal estadual a ser privatizada por meio de uma oferta em bolsa

A Companhia Paranaense de Energia (Copel) anunciou que a oferta de ações para sua privatização foi precificada em R$ 8,25. Com isso, a estatal poderá arrecadar, no mínimo, R$ 4,5 bilhões. O valor do papel tem um ágio de 5% em relação à estimativa de R$ 7,85 estabelecida pela companhia no lançamento da oferta no dia 26 de julho. A edição digital do jornal Valor Econômico desta quarta-feira (9) afirma que a demanda pela oferta da Copel chegou em R$ 15 bilhões, ou seja, superou em três vezes o total do volume ofertado, segundo fontes ouvidas pela publicação. "Ao final, houve 75 ordens, e a alocação final ficou 70% com investidores locais e 30% com estrangeiros, sendo 80% com os chamados fundos long, que são aqueles que são conhecidos por ficarem comprados na ação no longo prazo, disseram interlocutores que acompanharam a oferta", destaca a reportagem assinada pela jornalista Fernanda Guimarães.

Com a precificação, a Copel foi a primeira estatal estadual a ser privatizada por meio de uma oferta em bolsa. Ela também foi a terceira maior oferta do setor elétrico em todo o mundo neste ano. Em nota enviada ao Portal AMANHÃ, o governo do Paraná reitera que o processo de transformação da Copel em corporação ainda está em andamento e a liquidação só deve ocorrer na sexta-feira (11). "Com a conclusão do processo, o Estado do Paraná se manterá como acionista relevante, o único com direito a uma Golden Share, ação de classe especial que garante poder de veto em determinadas decisões da companhia, tais como a manutenção de sua sede no estado do Paraná e investimento mínimo na distribuição de energia. Com o resultado da transformação da Copel em corporação, o Estado deve arrecadar novos recursos para utilizar, de maneira imediata, em obras de habitação, educação, infraestrutura urbana e rodoviária e sustentabilidade", destaca o comunicado.

Na área de habitação, por exemplo, os recursos darão continuidade ao programa Casa Fácil. "O governo pretende investir R$ 500 milhões na segunda fase da modalidade Valor de Entrada, que auxilia famílias a comprar a casa própria com R$ 20 mil para quitar parte ou totalidade da entrada do imóvel. Todas as regiões podem ser beneficiadas, mediante habilitação das construtoras em um chamamento público. Já na área da educação, serão investidos R$ 500 milhões. Eles custearão a reforma de 400 colégios da rede estadual e a continuidade de um programa inédito, que é a construção de Escolas de Educação Especial em diversas regiões em parceria com as prefeituras e as Associações de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apaes)", lista a nota.

"Já há projetos em andamento em Nova Laranjeiras, Altamira do Paraná, Douradina, Flor da Serra do Sul, Nossa Senhora das Graças e Piên. Outra parte deve ser destinada à instalação de placas solares para geração de energia nas escolas. A programação ainda envolve recursos para o programa Asfalto Novo, Vida Nova, com convênios para pavimentação em municípios pequenos, construção de parques urbanos e obras de infraestrutura rodoviária", finaliza o texto. A Copel é a terceira maior empresa da região e também a maior do Paraná, de acordo com o ranking 500 MAIORES DO SUL, publicado pelo Grupo AMANHÃ com o apoio técnico da PwC, com base nos balanços do exercício de 2021. Leia o anuário completo clicando aqui, mediante pequeno cadastro.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Terça, 25 Junho 2024

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://amanha.com.br/