Pense dentro da caixa...alheia

Por que criar, se copiar é muito mais fácil e garantido?
Um time pequeno, em vez de gastar tempo e dinheiro desenvolvendo um bólido novo, do zero, opta por copiar o que o grande acaba de usar com sucesso

Inovação, cópia, Racing Point, Fórmula 1, Oded ShenkarNo próximo domingo (5) começa finalmente o campeonato mundial de Fórmula 1 de 2020. Pois lembro que, durante a semana de testes ocorrida em fevereiro, um carro em especial chamou a atenção: o da modesta equipe Racing Point. Não pela já característica cor rosa, incomum nas pistas, e sim por um detalhe que não passou despercebido dos aficionados: ele era uma cópia fiel do modelo usado pela supercampeã Mercedes-Benz no ano anterior (veja detalhes aqui). Apesar da surpresa de muitos e da indignação de alguns, tratava-se de uma decisão bastante óbvia, a meu ver: um time pequeno, em vez de gastar tempo e dinheiro desenvolvendo um bólido novo, do zero, opta por copiar o que o grande acaba de usar com sucesso. Mais pragmático e eficiente, impossível – tanto que é de se perguntar como ninguém havia pensado nisso antes (na verdade, pensou).

Oded Shenkar adoraria ler esta notícia. Autor de "Copycats: melhor que o original" (ed. Saraiva, 2011), ele é um aberto defensor da cópia como estratégia empresarial. Razões para isso não faltariam: além de mais rápida e barata, a cópia permite capturar mais valor que a inovação. Estudo que cobriu mais de meio século de negócios mostrou que os inovadores capturaram apenas 2,2% do valor criado por suas criações. O restante ficou com os imitadores.

Como? Por quê?

Shenkar responde: "Como a maioria dos ganhos de produtividade não surge com a inovação original, mas dos aperfeiçoamentos subsequentes, os imitadores estão quase sempre mais bem posicionados para oferecer ao consumidor algo que não é apenas potencialmente melhor, mas também consideravelmente mais barato" (p. 22-23).

A Apple é um caso típico de um imitador de muitíssimo sucesso. Não criou a interface gráfica dos computadores, copiou-a da Xerox. Nem inventou tocadores de música digital, telefones com tela sensível ao toque ou tablets, apenas aperfeiçoou-os e esperou o timing mais adequado para lançá-los.

Numa era que supervaloriza a #inovação e o #pensarforadacaixa, o case Racing Point nos lembra que, às vezes, o melhor é pensar dentro da caixa...alheia. Nem que seja aquela em que repousa o que já foi descartado pelo vizinho bem-sucedido.

Veja mais notícias sobre MarketingBrandingGestão.

Veja também:

 

Comentários: 1

Gustavo José Nedel em Quarta, 08 Julho 2020 16:34

A ideia de copiar um produto é válida quando se consegue produzir em larga escala. Em pequenos lotes, o valor agregado tecnológico não consegue competir com os originais por carecer de alto desempenho de funcionamento.

A ideia de copiar um produto é válida quando se consegue produzir em larga escala. Em pequenos lotes, o valor agregado tecnológico não consegue competir com os originais por carecer de alto desempenho de funcionamento.
Visitante
Domingo, 21 Julho 2024

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://amanha.com.br/