Maioria das obras estão com andamento comprometido em SC

A falta de infraestrutura impacta o custo logístico
Pesquisa da Fiesc e da UFSC mostra que o custo do transporte da indústria catarinense passou de R$ 0,04 por real faturado em 2017 para R$ 0,07 por real faturado em 2022

Monitoramento da Federação das Indústrias (Fiesc) mostra que 94% das 35 obras de infraestrutura de transportes acompanhadas pela entidade estão com o prazo expirado ou com o andamento comprometido. Esse conjunto de obras totaliza R$ 9 bilhões e é relativa aos modais rodoviário (R$ 8,1 bi), ferroviário (R$ 154 milhões), aquaviário (R$ 597 milhões) e aeroviário (R$ 150 milhões). Os dados foram apresentados pelo presidente da Federação, Mario Cezar de Aguiar, em painel no Congresso dos Municípios (Comac), promovido pela Federação de Consórcios, Associações de Municípios e Municípios (Fcam), na quinta-feira (28) em São José.

"Isso nos preocupa muito. Os investimentos precisam ser acelerados para que tenhamos uma infraestrutura adequada, que acompanhe o crescimento de Santa Catarina", manifestou Aguiar, ressaltando a importância do programa Estrada Boa, do governo estadual, que prevê o aporte de R$ 2,1 bilhões, além dos cerca de R$ 1,3 bilhão previstos no orçamento federal para obras nas BRs. Em sua apresentação, Aguiar observou que a falta de infraestrutura impacta o custo logístico. Pesquisa da Fiesc e da UFSC mostra que o custo do transporte da indústria catarinense passou de R$ 0,04 por real faturado em 2017 para R$ 0,07 por real faturado em 2022. "Houve uma elevação de 75% no custo de transporte, ocasionado, principalmente, pela precariedade da malha rodoviária catarinense", afirmou. A pesquisa indica, ainda, que a redução de 1 centavo no custo logístico catarinense representaria uma economia de cerca de R$ 4,5 bilhões por ano.

Durante o painel, o superintendente do DNIT-SC, Alysson Rodrigo de Andrade, apresentou um mapa das principais obras em execução e informou que, para 2023, o órgão dispõe de R$ 825 milhões para construção de estradas e R$ 447 milhões para manutenção delas. "A nossa economia depende da qualidade das nossas estradas. Temos de pensar no crescimento e na ampliação de capacidade porque nosso estado cresce e a demanda pelo modal rodoviário também", declarou.

Veja mais notícias sobre InfraestruturaSanta Catarina.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Segunda, 26 Fevereiro 2024

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://amanha.com.br/