Uma usina de obras de infraestrutura

Itaipu tem um pacote de R$ 2,4 bilhões de recursos destinados para obras no Paraná
A Boiadeira ligará o noroeste do Paraná à cidade de Porto Murtinho (MS), ponto de conexão com o corredor bioceânico que unirá os portos brasileiros de Santos (SP) e Paranaguá aos do norte do Chile

Em junho, o governo do Paraná recebeu o projeto executivo da duplicação do trecho de 8,7 quilômetros da BR-469, a Rodovia das Cataratas, em Foz do Iguaçu, na fronteira do Brasil com o Paraguai e a Argentina. Segundo as estimativas iniciais, as obras devem começar ainda este ano e a previsão de entrega é para 2024. Reivindicação antiga, a duplicação é considerada uma obra de infraestrutura essencial para fortalecer o turismo regional.

A duplicação já foi anunciada várias vezes nas últimas duas décadas, mas nunca saiu do papel. A obra tem custo previsto de R$ 139,4 milhões, dos quais R$ 136,3 milhões serão financiados pela Itaipu Binacional. Porém, a hidrelétrica tem um pacote ainda mais auspicioso: no total, serão destinados R$ 2,4 bilhões para obras no Paraná.

Itaipu também ajudará a financiar obras nos contornos de Guaíra e Cascavel, além de revitalizar a Ponte Ayrton Senna, em Guaíra. O pacote de obras da margem brasileira de Itaipu inclui desde construção de ciclovias e pistas de caminhadas até a execução de obras estruturantes, como a ampliação do Hospital Ministro Costa Cavalcanti (HMCC).

Em parceria com o governo federal, Itaipu também será responsável pela execução dos serviços na BR-487, mais conhecida como Estrada Boiadeira. A rodovia liga os municípios de Icaraíma (Porto Camargo) e Umuarama (Serra dos Dourados), na região noroeste do Paraná.

No futuro, ela fará a interligação com o Corredor Bioceânico, uma rodovia de mais de 2,4 mil quilômetros entre Campo Grande (MS) e o Porto de Antofagasta, no Chile, reduzindo em até duas semanas o tempo de viagem das exportações do Centro-Oeste do Brasil até os países do Oriente, principalmente China, Japão e Coreia do Sul.

A Boiadeira (foto) ligará o noroeste do Paraná à cidade de Porto Murtinho (MS), ponto de conexão com o corredor bioceânico que unirá os portos brasileiros de Santos (SP) e Paranaguá aos do norte do Chile. Com todas estas frentes, Itaipu passou a ser uma usina não apenas de energia, mas de investimentos.

Esse conteúdo integra a edição 338 da revista AMANHÃ, publicação do Grupo AMANHÃ. Clique aqui para acessar a publicação on-line, mediante pequeno cadastro.

Veja mais notícias sobre EmpresaNegócios do SulParaná.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Quinta, 21 Outubro 2021

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://amanha.com.br/