Moody's melhora perspectiva da nota de crédito do Brasil

Apesar de manter nota, agência sinalizou que pode elevá-la no futuro
Entre as reformas citadas, a agência enfatiza a importância da reforma tributária em curso e da consolidação fiscal, do equilíbrio das contas públicas (Foto: Arquivo/Portal AMANHÃ)

A agência de classificação de riscos Moody´s revisou para cima a perspectiva da nota de crédito do Brasil. Atualmente, o nível (rating) do país é Ba2, que indica um risco maior para investimentos estrangeiros. A instituição manteve a nota, mas mudou a perspectiva da avaliação de "estável" para "positiva", sinalizando que pode elevar esse rating no futuro. De acordo com o Tesouro Nacional, essa decisão é a primeira movimentação da Moody's desde 2018, quando houve a mudança de perspectiva de negativa para estável, e "reforça a melhoria na trajetória da nota de crédito verificada desde 2023", com a elevação do rating pela Standard & Poor's e pela Fitch. As três instituições compõem as agências de riscos mais conceituadas do mercado.

"Ocorrendo a efetivação da mudança da nota de crédito, o Brasil estará a um degrau de voltar a possuir grau de investimento, um marco significativo para os indicadores de estabilidade econômica do país", explicou o Tesouro. O grau de investimento funciona como um atestado de que os países não correm risco de dar calote na dívida pública. Abaixo dessa categoria, está o grau especulativo, cuja probabilidade de deixar de pagar a dívida pública sobe à medida que a nota diminui. A classificação de risco por agências estrangeiras representa uma medida de confiança dos investidores internacionais na economia de determinado país. As notas servem como referência para os juros dos títulos públicos, que representam o custo para o governo pegar dinheiro emprestado dos investidores. As agências também atribuem notas aos títulos que empresas emitem no mercado financeiro, avaliando a capacidade de as companhias honrarem os compromissos.

De acordo com o Tesouro Nacional, o comunicado da Moody's destaca a melhora na perspectiva do crescimento do país, após sucessivas reformas estruturais e salvaguardas institucionais "que reduzem a incerteza sobre a direção futura das políticas públicas". Entre as reformas citadas, a agência enfatiza a importância da reforma tributária em curso e da consolidação fiscal, do equilíbrio das contas públicas. Ao manter o rating Ba2, a Moody´s ainda aponta riscos diante do nível elevado de endividamento do Brasil. A agência enfatizou a importância da manutenção da credibilidade do arcabouço fiscal para a "redução das incertezas a respeito da trajetória fiscal".

"A agência espera que o crescimento robusto, em conjunto com progresso contínuo na consolidação fiscal, possibilite a estabilização da dívida do país", avaliou o Tesouro, citando ainda o destaque da agência para a agenda de transição energética do governo que, "com o objetivo de atrair investimentos privados para projetos de energia limpa, pode também contribuir para alavancar o crescimento".

Com Agência Brasil

Veja mais notícias sobre EconomiaBrasilMundo.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Sexta, 14 Junho 2024

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://amanha.com.br/